Baía de Aratu aciona plano de emergência por conta da mancha de 21km²

A ameaça de uma mancha de óleo de 21 km² atingir a costa da Bahia fez o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) acionar o plano de emergência da Baía de Aratu. Há cinco anos ele não era colocado em operação.

São duas manchas, uma de 21 km² e outras de 3,3 km², segundo pesquisadores da Universidade Federal da Bahia (Ufba). Elas foram localizadas por satélite em alto mar, a 100 km da costa, entre o Litoral Norte da Bahia e o Sul de Sergipe, e estão seguindo em direção às praias baianas. Em Salvador, foram recolhidos 20 kg de petróleo cru até a manhã desta sexta-feira (11).

Manchas de óleo já atingiram seis praias de Salvador e o Litoral Norte (Foto: Arisson Marinho)

Segundo a analista ambiental do Ibama e responsável pelas equipes de emergência ambientais, Ana Cacilda, Aratu está preparada para agir porque possui um plano de área já implementado. Os funcionários passam por treinamento para situações como as de grandes vazamentos de óleo.

Na prática, quando o plano de emergência é acionado, as empresas que fazem parte da baía somam esforços para resolver o problema – ou seja, elas pensam, juntas, em alternativas para a questão. O planejamento determina como cada uma delas deve se comportar e quais ações devem ser postas em prática.

Especislistas temem o impacto ambiental (Foto: Arisson Marinho)

Segundo o Ibama, a última vez que o plano foi acionado foi há cinco anos, quando houve vazamento de óleo de uma embarcação. A Baía de Todos-os-Santos Sul também está cogitando acionar o plano dela de emergência, mas, nesse caso, o planejamento que define as regras nessas situações ainda está sendo implementado.

Fonte: Correio da Bahia

Compartilhar