Wagner confirma que Bellintani pode ser candidato pela base

O senador Jaques Wagner (PT) confirmou, ontem, que o presidente do Bahia, Guilherme Bellintani, pode ser candidato a prefeito de Salvador em 2020

O senador Jaques Wagner (PT) confirmou, ontem, que o presidente do Bahia, Guilherme Bellintani, pode ser candidato a prefeito de Salvador em 2020, pela base do governador Rui Costa (PT). A informação já circulava nos bastidores, mas ninguém admitia publicamente a hipótese. Nos corredores da política, o rumor é de que Bellintani vai se filiar ao PSB, e o PT deve indicar o vice na chapa. O nome mais cotado hoje é da vereadora de Salvador, Marta Rodrigues. Na reunião da Executiva nacional do PT em Salvador, Wagner se mostrou ainda a favor de a base ter três candidatos ao Palácio Thomé de Souza. “Não acho que três candidatos sejam pulverização. Até três candidatos, não vejo nenhum problema. Até três candidatos, cabe. Isidório está fazendo esforço para ser candidato. Está na nossa base. E teve um potencial de votos significativo. (…) O PCdoB lançou o nome de Olívia (Santana). O PT está numa discussão se lança um nome ou apoia. Tem a questão de Bellintani que poderia vir para um partido da base. Mas o quadro não está definido”, declarou. O dirigente esportivo tem se esquivado quando questionado sobre o assunto. Tem dito que mantém o foco no Bahia.

Em recente entrevista, Bellintani, no entanto, fez um aceno à esquerda. Ex-secretário na gestão do prefeito ACM Neto (DEM), além de reiterar ter tido uma formação de esquerda, ele afirmou que votou em Ciro Gomes (PDT) e Fernando Haddad (PT) na disputa presidencial do ano passado. Ainda na entrevista, Wagner afirmou que “está mais do que na hora” de Rui Costa reunir o Conselho Político para tratar da eleição nas 50 maiores cidades baianas.

Ontem, o governador disse, porém, que só vai tratar do pleito “a partir de janeiro”. Sobre as eleições de 2022, Wagner afirmou que “ainda não decidiu” se será candidato ao governo da Bahia. “Eu não decidi ainda. Nós ainda estamos discutindo a prefeitura em 2020. 2022 está longe. Vou continuar com a minha tese (…) de renovação”, pontuou. “Se o presidente (Lula) vier a ser candidato em 2022, a chapa puxada por ele no Nordeste, particularmente na Bahia, seja quem for candidato ganha um peso bastante significativo”, emendou.

O ex-governador da Bahia minimizou o tom duro do discurso do ex-presidente Lula, que atacou o governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) em evento em São Bernardo do Campo, em São Paulo. “Eu acho um equívoco tirar a posição (de Lula) em função das duas falas que ele fez”, atenuou.

Compartilhar