Bahia tem dois jogos em casa e tenta se consolidar no G6

Tricolor recebe o Athletico-PR neste sábado (5) e o São Paulo, na quarta-feira (9)

A fase do Bahia no Brasileirão não poderia ser melhor. O triunfo de 2×0 sobre o Avaí, fora de casa, colocou o tricolor na sonhada zona de classificação para a Copa Libertadores e, agora, o time pode fazer ainda mais e se consolidar dentro do G6 da competição nacional.

Neste sábado (5), contra o Athletico-PR, às 19h, na Fonte Nova, o Bahia inicia a primeira da sequência de dois jogos seguidos em casa. Na quarta, o desafio será diante do São Paulo, às 21h. Ainda que o técnico Roger Machado reforce o coro por ‘pés no chão’, a torcida tem motivos de sobra para se empolgar.

O Esquadrão tem mostrado força dentro dos seus domínios. O time está invicto na Fonte Nova e tem a sexta melhor campanha como mandante da Série A, empatado em número de pontos com o Santos, que superara o tricolor no saldo de gols. Dos 37 pontos que tem, 24 foram garantidos em casa. Por isso, a hora é a de aproveitar a chance e, quem sabe até, mirar um lugar entre os quatro primeiros colocados.

“O objetivo é esse (seis pontos em casa), sabendo que nós vamos enfrentar duas grandes equipes, primeiro o Athletico-PR e depois o São Paulo. Temos que ir jogo a jogo, trabalhar mais forte para fazer as partidas em casa, mas sabemos que na Fonte Nova temos o apoio da torcida, o que é muito importante para conseguir os pontos. Vai ser difícil, mas não impossível”, afirmou o meia Guerra.

Campanha anima
Além da força que tem em casa, outro ponto anima o tricolor. Desde 2006, quando o campeonato passou a ter 20 times na disputa de pontos corridos, nenhum 6º colocado tinha chegado aos 37 pontos após a 22ª rodada.

As melhores campanhas, até então, haviam sido do Vitória, em 2008, e do Grêmio, em 2016, quando ambos fizeram 36 pontos a essa altura do campeonato.

O ideal para o Bahia, então, é somar pelo menos 58 pontos, a média dos clubes que ficaram em 6º nas 13 edições do formato atual. Quem somou menos na colocação foi o Internacional, em 2008, quando terminou o Brasileirão em sexto, com 54 pontos. Já quem mais suou a camisa para alcançar a posição foi o Fluminense em 2014, com 61 pontos. Nas duas edições, porém, só os quatro primeiros se classificavam à Libertadores da América.

“A equipe conseguiu entrar no G6, o compromisso agora é ainda maior. Vamos enfrentar um time que vem sendo campeão da Copa do Brasil, da Sul-Americana, mas vamos jogo a jogo, com tranquilidade e inteligência. Vamos jogar em casa e temos que impor o nosso ritmo. A nossa responsabilidade é ainda maior para manter e olhar para cima. Não podemos nos conformar com a posição”, analisou Guerra.

Compartilhar