Pena da médica Kátia Vargas pode chegar a 60 anos, diz assistente de acusação

Julgamento pela morte dos irmãos Emanuel e Emanuelle acontece nesta terça (5)

pena katia vargas

O Ministério Público da Bahia (MP-BA) pedirá a condenação da médica Kátia Vargas em júri popular que começa nesta terça-feira (5) pela morte dos irmãos Emanuel e Emanuelle, em outubro de 2013. “Temos prova da frieza com que foi cometido esse duplo assassinato. Nós vamos começar a apresentar o processo hoje. Vai ser um processo longo. De dois a três dias. Esperamos justiça. Alguns acusados vêm, outros não vêm. É um direito constitucional. A pena pertence ao juiz. O MP vai apresentar provas, e haja prova”, afirmou o promotor Davi Gallo, que divide a promotoria do caso com Luciano Assis.
Daniel Keller, assistente de acusação e advogado da família dos irmãos, acredita que a médica será condenada. “As provas estão todas constituídas no processo. As provas estão bem claras – temos provas testemunhal e pericial. Tudo aponta para o duplo homicídio doloso. Acredito que ela vai ser condenada. A pena pode chegar de 24 a 60 anos”, diz.

PUBLICIDADE        

A mãe dos irmãos Emanuel e Emanuelle Gomes, Marinúbia Gomes, chegou ao Fórum Ruy Barbosa, na manhã desta terça-feira (5), acompanhada de Keller por volta das 6h40. Marinúbia entrou pela lateral do fórum e não cumprimentou os parentes e amigos da família que estavam do lado de fora, segurando cartazes e pedindo justiça pela morte dos irmãos.

“Ela (Marinúbia) leu todos os depoimentos junto comigo. O resultado vai ser a condenação de Kátia às penas da lei. Existe um laudo do Departamento de Polícia Técnica que comprova o impacto”, diz Keller
O advogado ressalta que a mãe dos meninos está sob o efeito de medicamento. “Mas ela está muito tranquila com o resultado da pena. Está muito claro para Marinubia. Ela leu os depoimentos das testemunhas. As provas são muito claras, transparentes. Pode ser que termine até o final do dia, ainda que termine até as 22hUma vez que se encerra o procedimento, os jurados vão para uma sala secreta. E em seguida é lida a sentença”, explica.

 

Compartilhar