Investigadores suspeitam que fortuna do ‘bunker’ de Geddel é propina do PMDB, da Odebrecht e de Funaro

É a primeira vez que os investigadores fazem essa relação da origem do dinheiro. Ex-ministro está preso desde que os R$ 51 milhões foram apreendidos pela PF em setembro.

Investigadores da Lava Jato suspeitam que os R$ 51 milhões encontrados pela Polícia Federal (PF) em um apartamento de Salvador que supostamente funcionava como uma espécie de sala-cofre do ex-ministro Geddel Vieira Lima são a soma de propinas vindas do PMDB, da construtora Odebrecht e do operador Lúcio Funaro. É a primeira vez que os investigadores fazem essa relação da origem do dinheiro.

Geddel nunca esclareceu de onde saiu tanto dinheiro. Investigadores dizem que há claros indícios do crime de lavagem.

PUBLICIDADE        

O detalhamento foi incluído nas investigações sobre lavagem de dinheiro que estão no Supremo Tribunal Federal.

Preso, o ex-ministro Geddel Vieira Lima é conduzido da 10ª Vara da Justiça Federal de Brasília para o Complexo Penitenciário da Papuda (Foto: Dida Sampaio, Estadão Conteúdo)

Preso, o ex-ministro Geddel Vieira Lima é conduzido da 10ª Vara da Justiça Federal de Brasília para o Complexo Penitenciário da Papuda (Foto: Dida Sampaio, Estadão Conteúdo)

Geddel está preso no Complexo Penitenciário da Papuda, em Brasília, desde setembro após a descoberta da fortuna, a maior apreensão de dinheiro vivo da história da PF.

Fontes confirmaram à TV Globo que os investigadores trabalham com quatro possíveis fontes de dinheiro e que os indícios colhidos até agora apontam que a fortuna encontrada veio de quatro fontes:

>>> Repasses de Lúcio Funaro

O operador de propinas do PMDB, em sua delação premiada, confirmou ter repassado R$ 20 milhões somente a Geddel Vieira Lima.

Funaro já confirmou à Polícia Federal que levava malas de dinheiro ao ex-ministro e que entregou pessoalmente, nas mãos de Geddel, no hangar da Aerostar, no aeroporto de Salvador, como o Jornal Nacional revelou em julho.

>>> Desvios de políticos do PMDB

Os investigadores suspeitam que o ex-ministro recebeu dinheiro de peemedebistas investigados no inquérito conhecido como quadrilhão, em que Geddel é investigado junto com o presidente Michel Temer e outros integrantes do PMDB. O grupo é tratado pela PF como uma organização criminosa que atuava para desviar dinheiro publico.

>>> Odebrecht

Job Ribeiro, ex-assessor do deputado Lúcio Vieira Lima, afirmou que pegou dinheiro vivo na construtora Odebrecht .

O ex-auxiliar do irmão de Geddel também afirmou ter ido a mando do ex-ministro e de Lúcio umas 5 ou 6 vezes pegar dinheiro com uma pessoa chamada Lúcia.

Investigadores confirmaram que se trata de Maria Lúcia Tavares, secretária da Odebrecht, que, em fevereiro deste ano, revelou a existência de um departamento de propina dentro da construtora.

>>> Assessores

Job Ribeiro afirmou no mesmo depoimento que repassava 80% de seu salário pago pela Câmara – R$ 8 mil por mês – para a família Vieira Lima.

E que o motorista e uma secretária do deputado também devolviam parte de suas remunerações. Segundo Job, os recursos eram sacados e ficavam guardados na casa da mãe de Geddel, que armazenava dinheiro no closet.

A casa de Marluce Vieira funcionava como um escritório onde o dinheiro ficava guardado e era repassado a pessoas que iam lá receber pagamentos.

O ex-assessor de Lúcio disse que não sabia de onde veio a fortuna encontrada no apartamento da capital baiana, mas relatou que parte foi do próprio salário e dos outros dois funcionários da Câmara e outra fatia da Odebrecht.

O depoimento de Job foi usado pela Procuradoria Geral da República (PGR) para pedir a manutenção da prisão de Geddel.

A próxima etapa dessa investigação é o Ministério Público decidir se denuncia ou não o ex-minstro ao Supremo Tribunal Federal.

Investigadores do caso entendem que, em crimes de lavagem envolvendo dinheiro em espécie – que não pode ser rastreado pelo sistema bancários – os indícios são suficientes.

Delação premiada

A defesa de Job Ribeiro está reunindo provas na tentativa de fechar delação premiada com a PGR e pretende entregar extratos dos últimos cinco anos que comprovariam a versão do ex-assessor da Câmara de que devolvia parte do salário à família Vieira Lima.

Apesar de, na maioria das vezes, Job ser orientado a sacar e entregar parte de sua remuineração em dinheiro vivo, em algumas ocasiões ele teve que trasnferir dinheiro para o pai e um dos irmãos de Geddel.

Compartilhar