O vírus que usava o perfil de Britney Spears no Instagram para infectar computadores

Comentário feito por hackers em fotos da cantora escondia malware, diz empresa de segurança; hackers ligados ao governo russo seriam os responsáveis.

Vírus teria sido criado por hackers a serviço do governo russo (Foto: Reprodução/Instagram/Britney Spears)
Vírus teria sido criado por hackers a serviço do governo russo (Foto: Reprodução/Instagram/Britney Spears)

O perfil no Instagram da cantora pop americana Britney Spears foi usado por hackers para espalhar um vírus entre seus seguidores.

A descoberta foi feita pela empresa de segurança Eset, sediada na Eslováquia.

PUBLICIDADE        

Segundo a companhia, um comentário feito pelos hackers no Instagram da artista escondia um malware.

À primeira vista, parecia um spam, mas, na verdade, era um meio de comunicação com computadores previamente infectados.

O vírus Turla está ativo desde 2014 e tem como alvo principal funcionários do governo, diplomatas e outras autoridades, explica Jean-Ian Boutin, analista da Eset.

Acredita-se que o malware foi criado por um grupo de hackers ligado ao governo russo.

A Eset descobriu um hash rastreável (sequência de bits geradas por um algoritmo de dispersão) escondido dentro do comentário, que continha uma série de caracteres – neste caso, 2kdhuHX – que levava a um link encurtado bit.ly.

Essa URL, por sua vez, conectaria o usuário ao servidor em que o malware estava localizado.

Para que o link aparecesse para o usuário, seria necessário que seu dispositivo tivesse sido previamente infectado por uma extensão maliciosa do navegador Firefox, ressalva Boutin.

Segundo o especialista, esse tipo de uso das mídias sociais por hackers torna “a vida mais difícil para as empresas de segurança”.

“Em primeiro lugar, é difícil distinguir o tráfego malicioso para as mídias sociais do tráfego legítimo”, afirmou ele.

“Em segundo lugar, dá aos hackers maior flexibilidade tanto em realizar ataques quanto a apagar vestígios”, concluiu.

A Eset disse que informou a Mozilla, responsável pelo Firefox, sobre o problema.

Compartilhar