A matemática e os adversários seguem dando esperança aos torcedores rubro-negros. As últimas atuações e a vice-lanterna do campeonato não empolgam, mas a permanência na elite do futebol brasileiro ainda é viável. No entanto, o Vitória precisa fazer a parte dele. Há seis jogos sem vencer, o time comandado por João Burse encara o Cruzeiro, nesta quarta-feira (21), às 20h45 (horário da Bahia), no Mineirão, em Belo Horizonte, em partida válida pela antepenúltima rodada da Série A.

“Não vai faltar vontade dentro de campo”, prometeu o volante Léo Gomes. “Da minha parte vou correr, marcar e dar meu máximo. Certeza que meus colegas vão se comportar da mesma forma”, completou o jogador revelado na Toca. Pratas da casa e titulares como ele, o zagueiro Lucas Ribeiro e o atacante Léo Ceará também estrearam com a camisa profissional do Vitória durante essa edição do Brasileiro. A nova geração não cogita lamentar um rebaixamento.

“A situação é bem complicada, mas não posso pensar no futuro sem antes viver o presente. Vamos dar nosso máximo para sair dessa situação. O futuro a Deus pertence”, afirmou Léo Gomes. “A gente, às vezes, tem que pensar nos outros resultados, mas como venho falando, a gente depende da gente. Não dependemos de outros times. Temos que dar o máximo para sair dessa situação”.

Nesse momento, o Vitória não depende apenas das próprias forças para sair da zona de rebaixamento. O rubro-negro é o 19º colocado, com 36 pontos, só dois a menos que o Sport, que é o primeiro time fora da degola, em 16º lugar. Para conseguir sair do Z4, o Leão terá que vencer o Cruzeiro e torcer por tropeços de dois desses três times: Ceará, Vasco e América-MG, 14º, 15º e 17º colocados, respectivamente (veja a tabela abaixo).

As equipes cearense e carioca precisam perder seus jogos, ambos em casa, contra Paraná e São Paulo, respectivamente. A mineira não pode vencer o líder Palmeiras, fora. O confronto direto entre Sport e Chapecoense, que está em 18º lugar, contribui para o time baiano, pois caso termine empatado, o Vitória ultrapassará os dois se vencer o Cruzeiro e, assim, precisará de apenas uma das três combinações anteriores para deixar a zona de rebaixamento.

As partidas Ceará x Paraná, Vasco x São Paulo e Chapecoense x Sport serão realizadas só na quinta-feira (22). Portanto, o Vitória dormirá fora da zona se ganhar em Belo Horizonte.

De acordo com o departamento de matemática da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), a probabilidade de queda do Vitória é de 90,5%.

Maurícia da Matta / EC VitóriaNeilton deve ser novidade no ataque do Vitória (Foto: Maurícia da Matta / EC Vitória)

Tabu e escalação
Para vencer o Cruzeiro, o Leão precisa quebrar um tabu. O Vitória não vence o Cruzeiro há oito anos. A última vez foi no Brasileirão de 2010. Naquele 22 de agosto, Júnior ‘Diabo Loiro’ garantiu o triunfo por 1×0, em Ipatinga (MG), e colocou fim a uma sequência de cinco jogos sem vencer na competição.

De lá pra cá, as equipes se enfrentaram dez vezes pela Série A: seis triunfos da equipe mineira e quatro empates, o último deles no primeiro turno deste ano, por 1×1, no Barradão. Aquele foi o primeiro jogo de João Burse no comando da equipe, ainda como interino, após a demissão de Vagner Mancini. Também se encontraram na Copa do Brasil de 2016, com os mineiros vencendo as duas partidas por 2×1.

Com 49 pontos, o Cruzeiro é o 8º colocado no Brasileirão. Atual campeã da Copa do Brasil, a equipe mineira já tem vaga garantida na Libertadores de 2019 e não tem outras pretensões no campeonato. Apesar disso, Léo Gomes não acredita em jogo fácil. “Não vai ter facilidade, não. Eles estão jogando sem responsabilidade e nós temos uma responsabilidade enorme. Temos que ir concentrados e pensar só nesses três pontos”, pregou o volante.

O Vitória entrará em campo desfalcado do lateral direito Jeferson e do atacante Lucas Fernandes, suspensos. Em compensação, Benítez retorna à lateral esquerda após cumprir suspensão.

O Leão deve ir a campo com: João Gabriel, Rodrigo Andrade (Lucas), Ramon, Lucas Ribeiro e Benítez; Willian Farias, Léo Gomes e Rhayner; Erick, Léo Ceará e Neílton.

Compartilhar