Economia de tempo, dinheiro, menos estresse no trânsito, contribuição para o meio ambiente, e benefícios à saúde. São inúmeros as vantagens para quem utiliza diariamente a bicicleta como meio de transporte, e por esses e outros motivos, a cada dia cresce a população de usuários da famosa bike.

Outro fator fundamental é a adequação da cidade para os ciclistas, como a implantação de ciclovias, como na orla, por exemplo, incentiva a procura pelas bicicletas, e o que antes era diversão infantil, tornou-se muito mais útil.

A Tribuna da Bahia percorreu algumas lojas de vendas e manutenção das “magrelas” e percebeu que houve um aumento nas vendas e na procura pela montagem das bikes.

Bikes

A gerente Rosineide Cavalcante, da loja A&M Bicicletaria, em São Marcos, disse que nos últimos anos vem tendo um considerável aumento nas vendas. Ela conta que o público é diverso, entre jovens e adultos que procuram para trabalhar, percorrer a orla no final de semana, e participar de grupos de ciclistas.

 “Vendemos em média de 30 a 40 por mês e no mesmo ritmo pedem para serviços gerais, como troca de pneu, montagem, serviços de manutenção que também fazemos”, afirmou. Ela conta que muita gente que tem o peso elevado opta pela atividade física incluindo a bicicleta.

 “Aqui vem muito cliente acima do peso, que os próprios médicos recomendam andar de bicicleta”, pontuou. O dono da loja Júnior Bike, localizado na Vila Laura, disse que o aumento das vendas deve-se, também a busca pela saúde e qualidade de vida. “A busca por uma saúde mais saudável acredito que é o principal fator que aumentou as vendas. Desde setembro venho tendo um crescimento considerável”, disse Júnior Santos.

A “moda” de participar dos grupos de ciclismo também vem se expandido. “Muitas mulheres estão procurando para participarem dos grupos de ciclistas, eu faço parte de um aqui da Vila Laura e percebo o crescimento”, revelou. Júnior conta que a maioria do público é entre jovens e adultos acima de 25 anos.  O

s modelos mais procurados são as Aro 29, que segundo Júnior, proporciona mais conforto e menos desgaste físico. “A Aro 29 é uma das mais procuradas, pois ela proporciona um deslocamento maior com menos esforço. É grande, alta e confortável”, explicou. Esse modelo custa em média R$ 900 a R$ 1.200.

Na loja em São Marcos também é o modelo que mais sai. “Ela tem o quadro de alumínio e para quem gosta de pedalar é uma boa opção”, destacou Cavalcante. Ela explica que nos últimos meses a média de venda aumentou em quase 50%.

Respeito

Júnior que participa do “Pedal da Vila”, grupo de ciclistas Vila Laura, crítica, no entanto, a educação no trânsito e a adequação da cidade. “Ainda falta muito para a cidade ficar estruturada e atender a demanda de ciclistas. Outra questão é o comportamento dos condutores, principalmente de veículos particular e ônibus. Não respeitam os ciclistas”, ressaltou.

 Montar a bike a seu gosto também é uma opção que está sendo bem procuradapela população soteropolitana. Júnior explica que depende muito para que o cliente quer a bicicleta. “Para quem faz manobras é um tipo, para quem usa casualmente é outro, tem pessoas que faz trilha, outras viajam, já outras querem só para passear no fim de semana, então tudo isso influencia. A bicicleta tem que está adequada a sua altura, peso e objetivo de uso”, afirmou. Cavalcante informou que montar uma bicicleta completa gasta em média 3mil reais. “As pessoas procuram porque fica do seu jeito ne, acham mais viável”, afirmou.

O estudante de Tecnologia da Informação, Sanderson Barroso, preferiu montar a sua bicicleta. Ele gastou na média de R$7 mil com a dele e a da namorada. “A cidade não tem infraestrutura para receber os ciclistas, por isso que muita gente que queria pedalar tem medo. As pessoas evitam por questões do risco no trânsito. Pistas de alta velocidade, faixas estreitas, vários bairros que não têm infraestrutura legal. Porém sempre damos um jeito. Existe muito grupo de pedal que procura horários mais tranquilos como a anoite, ou de manhã cedo para pedalar”, disse.

Todo dia Sanderson vai para o trabalho e percorre 22 Kms de ida e volta. Além disso participa de um grupo de pedal do Sertanejo e já viajou com os integrantes. “Quando estamos de ônibus tem aquela preocupação de esperar o ônibus passar, horário e tudo. Sem falar no transtorno dos horários de pico. De bicicleta não, a sensação de liberdade, economiza tempo e poupa de estresse. Gasto em média 20 minutos de bike, de ônibus é o dobro”, disse.

Compartilhar