Por Priscila Carvalho

Embora seja comum em outros países, beber água diretamente da torneira não é um hábito da maioria das famílias brasileiras. Mas por que será?

Isso ocorre justamente por muitas regiões não terem um sistema de saneamento básico eficiente, aumentando o risco de água contaminada e também por causa das caixas d’água. “A água sai potável do local de tratamento, mas pode ficar contaminada quando entra em contato com os reservatórios das casas”, explica Milton Spencer Veras Neto, engenheiro e especialista em recursos hídricos do Instituto Mauá de Tecnologia (SP).

Na Europa, por exemplo, a maioria das residências não possui esse tipo de armazenamento, favorecendo que a água não entre contato com o meio externo e chegando diretamente na casa das pessoas.

Outro problema pode vir das próprias áreas de tratamento. No começo desse ano, no Rio de Janeiro, era quase impossível consumir a água das torneiras por que o líquido estava com impurezas e odor forte. Na época, foi descoberto que o problema era resultado da falta de tratamento de esgoto sanitário nas áreas urbanas.

Por isso, segundo Neto, é tão importante que as cidades tenham estações de tratamento de água eficaz para garantir a qualidade para a população. “É questão de saúde pública. As empresas seguem diretrizes do Ministério da Saúde para garantir uma água potável”, diz.

Os entusiastas da "água crua" criticam a água da torneira - iStock - iStock

Imagem: iStock

O caminho da água até sua casa

A água pode ser captada de rios e mananciais. Na região metropolitana de São Paulo, é retirada do sistema Cantareira e do Guarapiranga e depois levada para as estações de tratamento.

Depois, é feito um processo de cloração, para eliminar microrganismos e demais impurezas até chegar, finalmente, nas casas das pessoas. Em tese, a água que sai da torneira é potável e própria para o consumo. No entanto, como já falado, a contaminação pode ocorrer por causa das caixas d’água das casas e dos prédios.

É fundamental que uma limpeza periódica seja feita nesses reservatórios, para eliminar qualquer risco de contaminação. “O recomendado é limpar pelo menos uma vez ao ano com cloro e até água sanitária”, explica Neto.

Filtro de barro - Istock - Istock

Imagem: Istock

Então, para que serve o filtro?

De acordo com o engenheiro, o equipamento ajuda na retirada do gosto de cloro e de algumas partículas, mas não tem a ver com deixar a água mais potável. “No caso de prédios antigos, pode ter tubulações velhas de ferro e com isso pequenas partículas podem se desprender na água. Nesse caso, o filtro pode ajudar”, diz.

“Se o local em que você mora carece de sistema de esgoto e saneamento, ou não é possível ter um filtro, o fundamental é sempre ferver a água antes do consumo”, explica Ingrid Cotta, infectologista da BP – A Beneficência Portuguesa de São Paulo.

Torneira - Istock  - Istock

Imagem: Istock

Doenças provocadas por água contaminada

Há muitas maneiras de se contrair uma doença por transmissão hídrica. Na água, existem diversos microrganismos como vírus, protozoários e bactérias. As doenças mais comuns, de acordo com Cotta, são:

Leptospirose: a doença é causada por uma bactéria encontrada na urina do rato e pode entrar na pele humana. Em 90% dos casos, segundo os médicos, os sintomas são dor no corpo, dor acentuada na batata da perna, febre alta e indisposição.

Além disso, mesmo sendo mais raro, algumas pessoas podem ter diminuição na quantidade de urina e amarelamento dos olhos e quadros de sangramento. Nesses casos, o ideal é sempre procurar ajuda médica para evitar que o problema se intensifique podendo matar em casos mais extremos.

Hepatite A: a doença tem origem viral e a transmissão ocorre por meio da ingestão de água contaminada. Os sintomas mais comuns da hepatite são fadiga, náusea, vômitos, perda de apetite e desconforto abdominal.

Diarreia bacteriana: a pessoa, ao ser exposta à água contaminada, pode entrar em contato com diversos microrganismos que vão provocar o problema. O indivíduo pode ter náuseas, enjoo, evacuações líquidas e, em alguns casos, presença de sangue nas fezes. No último caso, é muito importante buscar ajuda médica. E sempre que houve diarreia, é importante a hidratação com soro caseiro.

Compartilhar