Por Mariana d’Ávila – Infomoney

Com o mercado repercutindo a preocupação com o aumento da crise política no Brasil, novos dados fracos da economia e o crescimento do número de casos de coronavírus no país, as taxas dos títulos públicos indexados à inflação negociados via Tesouro Direto apresentam alta na manhã desta quarta-feira (13). Já os papéis prefixados recuam, corrigindo a alta de ontem.

Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), as vendas no varejo caíram 2,5% em março ante fevereiro, e 1,2% na comparação com o mesmo período de 2019.

Os números, que seguem os dados fracos do setor de serviços divulgados ontem, mostram a maior fragilidade da atividade brasileira em meio à pandemia, que somava até ontem 177 mil casos e 12,4 mil mortes.

Apesar disso, o resultado do varejo veio melhor do que o esperado pelos economistas consultados pela Bloomberg, que era de uma retração de 5,5% na base de comparação mensal e queda de 3,9% do indicador na base anual.

Na cena política, os investidores seguem de olho na suposta vinculação feita pelo presidente Jair Bolsonaro da mudança do superintendente da Polícia Federal do Rio Janeiro a uma proteção de sua família, em reunião ministerial gravada pelo Planalto no dia 22 de abril. As informações estão circulando na imprensa, com veículos citando fontes com acesso à gravação.

Mercado hoje

No Tesouro Direto, o título indexado à inflação com vencimento em 2026 pagava uma taxa de 3,56% ao ano nesta manhã, ante 3,46% a.a. na tarde de terça-feira (12). Os papéis com prazos em 2035 e 2045, por sua vez, ofereciam um prêmio anual de 4,61%, frente aos 4,52%, a.a. ofertados anteriormente.

Já as taxas dos papéis prefixados recuavam nesta manhã, após apresentarem forte alta na tarde de ontem. O juro do papel com vencimento em 2026 cedia de 7,38% para 7,23% ao ano, enquanto o prêmio pago pelo Tesouro Prefixado com juros semestrais 2031 recuava de 8,40% para 8,25% ao ano.

Confira os preços e as taxas dos títulos públicos ofertados nesta quarta-feira (13):

Fonte: Tesouro Direto

Noticiário externo

No ambiente externo, a atenção recai sobre uma série de indicadores negativos na Europa, como as quedas de 5,8% no PIB do Reino Unido, no primeiro trimestre, e de 11,4% da produção industrial da União Europeia, em março.

Investidores aguardam ainda as falas de Jerome Powell, presidente do Federal Reserve, o banco central americano, sobre perspectivas econômicas dos Estados Unidos.

Compartilhar