A notícia que Salvador possui os primeiros casos suspeitos de coronavírus deixou as autoridades em sinal de alerta na tarde desta quinta-feira (27). De acordo com a Secretaria Municipal da Saúde (SMS), foram notificados cinco casos suspeitos de Covid-19 na capital baiana. Os pacientes que apresentaram sintomas respiratórios leves estiveram recentemente em países que têm a circulação do vírus.

De acordo com o órgão, os pacientes seguem monitorados pelas equipes da Vigilância Epidemiológica e os protocolos de isolamento já foram aplicados de maneira preventiva. “Amostras laboratoriais também foram coletadas para confirmar ou afastar o diagnóstico de Covid-19, bem como, a causa dos sintomas respiratórios dos pacientes suspeitos”.

Segundo nota enviada pela SMS, uma das ocorrências suspeitas, uma mulher de 42 anos, foi registrada na tarde de ontem no Pronto Atendimento Alfredo Bureau, no Marback. De acordo com a nota, a paciente que viajou há pouco tempo para Itália, encontra-se com o quadro clínico estável.

“Não há motivos para pânico. Os pacientes suspeitos estão com sintomas respiratórios leves e as notificações foram realizadas por conta dos mesmos terem passagens recentes em localidades onde há a circulação do Covid-19. Portanto não há nenhuma confirmação de coronavírus ou motivo para pânico em nossa cidade.”, explicou Adielma Nizarala, assessora técnica do Samu Metropolitano de Salvador.

Para garantir o suporte clínico a possíveis pacientes diagnosticados com o novo coronavírus e que apresentarem evolução para quadro clínico grave, a SMS publicou uma portaria que viabilizou a ampliação da oferta de leitos de isolamento nas enfermarias e Unidades de Terapia Intensiva (UTI) de hospitais conveniados com a Prefeitura. “Os hospitais receberão um aporte extra caso haja utilização dos leitos”, destacou.

O Ministério da Saúde também divulgou ontem (27), que há 132 casos suspeitos do novo coronavírus no Brasil. Há ainda 213 notificações que não foram analisadas pela equipe do ministério. Dos 132 casos, um é na Bahia. O boletim do Ministério da Saúde afirma que a idade dos pacientes investigados vai de 8 a 82 anos.

A recomendação do ministério é que seja feito acompanhamento em domicílio, com orientações sobre precauções respiratórias e sinais de agravamento, além da supervisão da autoridade sanitária equipe de atenção primária local.

De acordo com o secretário-executivo da pasta, João Gabbardo dos Reis, os técnicos não tiveram tempo para analisar as notificações e, por isso, o número de casos suspeitos é maior do que os 132 que constam no relatório.

VACINA

Por causa da confirmação do primeiro caso de coronavírus no país, o de um homem de São Paulo, o Ministério da Saúde decidiu antecipar a campanha de vacinação contra a gripe. Segundo o ministro Luiz Henrique Mandetta, a campanha prevista para abril terá início este ano no dia 23 de março. Para a campanha, serão disponibilizadas 75 milhões de doses.

A campanha vai privilegiar gestantes, puérperas, crianças de até seis anos de idade, idosos e, possivelmente, acrescentou o ministro, outros grupos de pessoas que trabalham na área de segurança e população carcerária. “Este ano vamos fazer outros grupos que não os idosos. Devemos fazer (vacinação) nas forças de segurança, na população presidiária completa, nos agentes penitenciários. Devemos fazer a ampliação de segmentos para diminuir a circulação epidêmica”, falou o ministro.

A vacina contra a gripe não previne o coronavírus. Mas segundo o ministro, ela será importante para combater os demais vírus associados a outros tipos de gripes e diminuir a dificuldade dos profissionais de saúde na hora de identificar corretamente o tipo de vírus que está provocando os sintomas no paciente.

Compartilhar