Luísa Sonza, solteira desde abril, quando anunciou o término do casamento com Whindersson Nunes, diz que gostaria muito de ser “da pegação”, mas que “infelizmente” não é.

Ela conta que, quando ficou solteira, não recebeu muitas mensagens de pretendentes. “Chega uma galera, mas não. Eu dificilmente fico solteira. Os dois relacionamentos na minha vida foram de dois anos e cinco anos e ainda casei. Sou muito casamenteira, tenho de me envolver para ter alguma coisa”, disse.

“Não sou muito da pegação. Queria muito ser, mas não vinga. Não consigo ser assim. Eu já aceitei o jeito que sou. Ficava muito p… Aceitei que sou canceriana e me apaixono rápido.”

Ela comentou, ainda, os boatos de que teria traído Whindersson com Vitão, antes mesmo de ter trabalhado junto com o cantor.

“Quando começam a falar de coisas muito fora do ar, como traição, de estar com o Vitor desde 2019… nem gosto de falar porque é tão fora do ar, tão ridículo. Agora que sou solteira, se quiser especular, não me importo.”

A cantora contou que começou a estudar sobre feminismo depois de receber ataques machistas na internet. “Ou eu me informava [sobre feminismo] ou ficava louca. Foi uma evolução absurda. É uma sociedade estruturalmente problemática, não culpo ninguém.

Compartilhar