O jogo deste sábado, 14, contra o América-RN, na Arena das Dunas, pela penúltima rodada da Copa do Nordeste, vale muito para o Bahia. Além de garantir matematicamente a vaga para o mata-mata em caso de vitória, é também uma boa forma de mostrar que o time superou as recentes eliminações precoces vividas pelo clube.

No ano passado, inclusive, o Tricolor foi eliminado ainda na primeira fase do Nordestão, ficando na quinta colocação, com 12 pontos. Foram três triunfos, três empates e duas derrotas em oito jogos. Somado a isso, o Esquadrão foi despachado na primeira fase da Copa do Brasil desse ano.

Eliminações que ficarão marcadas na história do clube. Porém, há um motivo para elenco e torcida acreditarem em dias melhores. Desde que Roger Machado passou a escalar o time com quatro atacantes, o Bahia não sabe o que é perder. Até aqui foram cinco partidas, com quatro vitórias e um empate. Além de 11 gols marcados e três sofridos.

Porém, no último confronto, contra o Confiança, o Tricolor não conseguiu colocar em prática o futebol ofensivo e goleador dos duelos anteriores. Resultado, venceu o time sergipano pelo placar mínimo e com um gol contra.

O lateral esquerdo Juninho Capixaba, que ganhou a concorrência com Zeca, reconhece que a equipe ficou devendo no último jogo, mas garante que a evolução tem sido constante e que é necessário ter maturidade e aprender a superar momentos de oscilação.

“Temos evoluído bastante, jogo a jogo. Estamos com uma confiança muito boa. O último jogo que fizemos não foi o que esperávamos. Esperávamos um grande jogo. Mas tem jogo que é assim, as coisas não vão acontecer, tem que ter naturalidade pra lidar com essa situação. Importante foi o triunfo”.

Compartilhar