A Secretaria estadual do Planejamento (Seplan) promoverá um encontro em Jequié, na próxima sexta-feira, 21, para planejar ações nos municípios que serão beneficiados pelo traçado da Ferrovia de Integração Oeste-Leste (Fiol) e da BR-030.

De acordo o vice-governador e secretário de Planeamento da Bahia, João Leão, o encontro discutirá questões estruturantes das obras, como a continuidade da linha 2 da Fiol, trecho Caetité-Barreiras, além de apresentação das ações e necessidades para as cidades envolvidas.

“Primeiro vamos forçar a ferrovia ir até Barreiras. Que o governo federal faça uma nova licitação de Caetité a Barreiras, baseada em uma PPP [Parceria Público-Privado] também. A segunda demanda é nós aprontarmos e projetarmos essas cidades que estão à margem da ferrovia. Caetité, por exemplo, tem 60 mil habitantes e, com a mina, a projeção é que ela chegue a 200 mil”, explicou.

De acordo com o vice-governador, a Bahia é a grande esperança do Brasil nas questões minerais.

“Fizemos uma prospecção e encontramos jazidas excepcionais de cobre, níquel, ouro e de minério de ferro. E a Fiol é de uma importância tremenda para isso. Precisamos preparar as cidades, realizar o PDDU de todas elas que estão à margem da ferrovia e preparar a região para receber esse grande investimento e desenvolvimento que irão acontecer”, disse.

Sobre as conclusões das obras da Fiol, Leão informou que o primeiro lote da ferrovia tem previsão de mais dois anos para a conclusão.

“O trecho de Caetité a Ilhéus está pronto 72%. De Caetité a Barreiras em torno de 40%, inclusive com a ponte sobre o Rio São Francisco. Mas dois anos passam rápidos. Essa ferrovia foi uma ideia do engenheiro Vasco Neto e o projeto estava na gaveta desde 1950. Em 2010, nós levamos, com todos os produtores do Oeste da Bahia, o projeto para o presidente Lula e ele autorizou a Valec dar início ao projeto, com início imediato das obras”, lembrou.

A Bahia Mineração (Bamin) arrematou em abril deste ano, por R$ 32,7 milhões, a concessão do 1º trecho da Fiol. Com 537 quilômetros de extensão, a ferrovia ligará Ilhéus a Caetité e escoará minério de ferro produzido no sudoeste baiano.

Os outros dois modais, a Fiol 2 que ligará Caetité a Barreiras e a Fiol 3, ligará Barreiras a Figueirópolis, no Tocantins, já foram recomendados pelo Conselho do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI), dependendo apenas da autorização, via decreto presidencial. Autorizada, a concessão segue para a fase de estudos, audiências públicas, avaliação da agência reguladora e Tribunal de Contas da União (TCU) para a realização da concessão.

Compartilhar