O secretário de Educação da Bahia, Jerônimo Rodrigues, detalhou o plano de retomada das aulas na rede estadual de ensino, em entrevista coletiva virtual nesta quarta-feira (24). No primeiro momento as aulas serão remotas, e o calendário começa já no mês de março. Veja detalhes abaixo.

As aulas presenciais seguem suspensas e não têm previsão de retomada. A partir de 15 de março, os estudantes passarão a estudar um ano letivo contínuo, ou seja: os anos letivos de 2020 e 2021 em um mesmo período. Para isso, a carga horária foi estendida e as aulas serão de segunda-feira a sábado.

As aulas ministradas de forma virtual em 2020 serão aproveitadas normalmente. Neste ano, os alunos terão um total de 1.500 horas de aulas – sendo 700 relacionadas ao ano de 2020 e 800 horas relacionadas ao ano de 2021. Ao todo, serão 228 dias letivos, com carga diária de 6h40, a ser dividida.

Todos os estudantes terão renovação de matrícula automática, incluindo estudantes que estão saindo do ensino fundamental I, na rede municipal, para o II, na rede estadual.

Calendário:

  • 1ª de março – Chamamento virtual dos professores para fazer planejamento, capacitações, tirar dúvidas e ouvir sugestões de professores e educadores;
  • 8 a 12 de março – Jornada pedagógica em homenagem ao centenário do educador e filósofo Paulo Freire;
  • 15 de março – Início das aulas.

Para as aulas remotas, os estudantes receberão materiais didáticos normalmente. Esse material será feito de forma escalonada, assim como aconteceu com a distribuição dos cartões de auxílio aos estudantes. Ainda não há data para início da distribuição. Veja materiais abaixo.

Os alunos que não tiverem acesso à internet, poderão acompanhar as aulas pela televisão, em um novo canal criado pelo Instituto de Radiodifusão Educativa da Bahia, o Educa Bahia.

Os estudantes que tiverem equipamentos eletrônicos em casa, como celulares e tablets, mas não tiverem internet, poderão baixar os conteúdos nas escolas.

O secretário detalhou ainda que o governo está em diálogo com Associação dos Provedores de Internet, para ampliar acesso no interior, nas zonas rurais e para locais de comunidades indígenas e quilombolas.

Material didático que auxiliarão estudantes e professores:

  • Livros didáticos – livros físicos serão distribuídos nas escolas e estudantes também terão acesso aos virtuais;
  • Salas virtuais do Google;
  • Cadernos de apoio à aprendizagem;
  • Programa Mais Estudo: 2 monitores por turma, em um total de 52 mil estudantes, que receberão bolsas pra serem monitores;
  • Chatclass Bahia: Exercícios de reforço no WhatsApp;
  • Internet nas escolas por provedores locais;
  • Novo canal da televisão educativa: Educa Bahia.

Os professores também passarão por treinamento para o uso de programa de monitoramento das aulas e dos estudantes, por meio do Sistema de Apoio à Gestão de Aprendizagem (Saga). A retomada das aulas será faseada e dividida por etapas, mas somente a primeira tem data para começar.

Divisão das aulas por etapas:

  • Etapa 1: Na primeira fase, que inicia dia 15 de março, as aulas serão remotas. Quem tiver acesso fará atividades orientadas pelos professores via internet. As aulas também poderão ser acessadas pela televisão, em um canal criado exclusivamente para isso, o Educa Bahia. O número do canal é o mesmo da Televisão Educativa da Bahia (TVE) e varia a cada cidade;
  • Etapa 2: Na segunda fase, que ainda não tem data para acontecer, será iniciado o ensino híbrido, uma agenda progressiva. Essa etapa só será ativada quando o estado tiver condições de abrir as escolas. As aulas presenciais serão em três dias da semana, com divisão por turmas: uma parte nas segundas, quartas e sextas; outra nas terças, quintas e sábados;
  • Etapa 3: Início das aulas presenciais, somente após a vacinação. Aulas serão retomadas em seis dias por semanadas, com descanso aos domingos.

De acordo com o secretário, o plano foi elaborado com Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab), Assembleia Legislativa da Bahia (ALBA), União dos Municípios da Bahia (UPB), União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime), Sindicato dos Professores da Bahia (APLB), Sindicato dos Professores no Estado da Bahia (Sinpro), Movimentos Estudantis e outros.

Compartilhar