Está prevista até a próxima semana a abertura de 99 leitos de UTI exclusivos para pacientes com covid-19 em Salvador. Segundo a Secretaria Municipal de Saúde (SMS), dez desses 99 já começaram a funcionar nesta quarta-feira (8) no Hospital Municipal de Salvador (HM), em Boca da Mata.

De acordo com o secretário de Saúde, Leo Prates, outros 20 serão abertos na unidade de emergência instalada no Hospital Sagrada Família, 20 no Wet´n Wild, 24 no Hospital Salvador e 25 na Arena Fonte Nova, em parceria com o governo do Estado.

“Com esse esforço, devemos baixar a taxa de ocupação dos leitos de UTI em nossa cidade para a casa dos 71%. Hoje, estamos beirando os 80%. Isso é fundamental porque a reabertura das atividades está ligada à taxa de ocupação dos leitos”, ressaltou.

No caso do Hospital Salvador, a Prefeitura espera resolver nos próximos dias as pendências no âmbito da Justiça com a Universidade Federal da Bahia (Ufba). Em relação à Fonte Nova, os detalhes da parceria estão sendo finalizados – a SMS vai doar os respiradores para o hospital de campanha montado pelo governo no estádio, assumindo ainda os custos da operação dos 25 leitos.

Balanço
Com os dez leitos inaugurados nesta quarta, sobe para 20 o número de leitos de UTI funcionando no Hospital Municipal de Salvador, totalizando agora 20 na unidade. No total, o município dispõe de 353 leitos entre contratualizados e hospitais de campanha.

Além disso, já foram inaugurados três gripários nas UPAs Pirajá/Santo Inácio, Vale dos Barris e Paripe. Esses equipamentos são dedicados ao atendimento de pessoas com síndromes gripais e, assim, podem garantir suporte imediato a pacientes com a covid-19.

Na manhã desta quarta, durante a inauguração das câmeras de medição de temperatura na Estação da Lapa, o prefeito ACM Neto lembrou que muitos dos leitos para pacientes com a covid-19 na capital são ocupados por pacientes vindos do interior, a maioria regulados via Unidades de Pronto Atendimento (UPAs).

“Não adianta Salvador reduzir a taxa de ocupação dos leitos se o interior aumentar. Precisamos do esforço de todos, inclusive dos demais prefeitos, sobretudo daqueles da região metropolitana da capital. Nunca vamos negar atendimento a esses pacientes, mas esse trabalho conjunto é fundamental”, declarouo.

Compartilhar