A lavoura com flores alvas e fofinhas, a perder de vista no horizonte, chama a atenção de quem passa pelas margens das rodovias do oeste da Bahia. As plantações se espalham por vários municípios da região. Dentro das fazendas, as máquinas estão em campo e o ritmo de colheita é acelerado. Até o dia 20 de setembro as colheitadeiras devem retirar mais de um milhão e quinhentas mil toneladas de algodão. Vai ser uma das maiores safras de todos os tempos, cerca de 17% maior do que a anterior. Mais de 75% desta produção já foi comercializada.

O bom desempenho da Bahia, segundo maior produtor de algodão do Brasil, acompanha a tendência nacional. Este ano os cotonicultores brasileiros devem colher mais de 4 milhões de toneladas de algodão em caroço e 2,7 milhões de toneladas de pluma de acordo com estimativas da Companhia Nacional do Abastecimento. A produção nacional deve atingir um novo recorde, alcançando um patamar 34,2% maior do que no ano passado. O país já está entre os cinco maiores produtores do mundo, ao lado da China, Índia, Estados Unidos e Paquistão.

Compartilhar