Por Gabriel Benevides – Aeromagazine

O retorno dos voos comerciais com o 737 MAX poderá ocorrer apenas em meados de outubro, um mês após o cronograma planejado pela Boeing. Atualmente o avião que acumula mais de 16 meses proibido de voar, as autoridades de aviação de todo o mundo suspenderam as autorizações emitidas para o modelo em março de 2019.

De acordo com o jornal Seattle Times, a FAA, a agência de aviação civil dos Estados Unidos, anunciou hoje (21) que emitirá uma notificação formal para receber comentários públicos antes de recertificar o 737 MAX. A intenção é obter uma análise detalhada antes de publicar a diretiva de aeronavegabilidade.

Porém, o jornal aponta que o 737 MAX deverá voltar a voar apenas em meados de outubro. A AERO Magazine não conseguiu confirmar o prazo estabelecido pelo cronograma da FAA, mas a data é considerada plausível por diversos consultores.

A Boeing espera poder anunciar a volta das operações do 737 MAX já em setembro, mas FAA necessita emitir a nova diretiva com comentários públicos. Porém, os atrasos ocasionados por conta de problemas adicionais que foram encontrados da aeronave, a consulta pública ainda não ocorreu.

Atualmente a FAA trabalha para evitar repetir erros do passado, que geraram uma conturbada situação para a agência e para o programa de certificação de aeronaves nos Estados Unidos. Assim, a autoridade aeronáutica voltou a seguir o processo padrão da certificação, que exige comentários públicos antes da decisão final do retorno da aeronave.

“De acordo com nosso compromisso de permanecer transparente, (a consulta) fornecerá 45 dias para o público comentar sobre as alterações propostas no projeto e os procedimentos da tripulação para mitigar os problemas de segurança identificados durante as investigações que se seguiram aos acidentes da Lion Air e da Ethiopian Airlines”, disse a FAA em um comunicado oficial.

Embora haja evidências que o trabalho está na sua fase final, a FAA afirma que ainda faltam algumas etapas importantes em todo o processo. Após a recertificação, a agência enviará um completo relatório, com o projeto final com as revisões necessárias, para especialistas de nove autoridades da aviação civil em todo o mundo, incluindo também a Nasa.

Apenas após o recebimento dos documentos é que será emitida a nova Diretiva de Aeronavegabilidade, que estabelecerá quais mudanças as companhias aéreas deverão adotar para retornar serviço comercial com o 737 MAX.

Compartilhar