O rendimento domiciliar per capita médio dos baianos em 2019 – soma dos rendimentos de todas as fontes de cada morador do domicílio dividido pelo total de moradores – foi de R$ 912,81, o oitavo menor do país. Os dados são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNADC), do IBGE, divulgados nesta sexta-feira (28). Já o rendimento domiciliar per capita médio do país ficou em R$ 1.438,67.

Embora seja a oitava mais baixa do país, comparado ao ano anterior, quando foi de R$ 841, a renda domiciliar per capita média na Bahia teve um crescimento nominal (desconsiderando a inflação do período) de 8,5%. Com isso, a Bahia subiu três posições no ranking nacional desse indicador, indo do 5º rendimento domiciliar per capita mais baixo em 2018 para o 8º mais baixo no ano passado. Maranhão (R$ 635,59) e Alagoas (R$ 730,86) se mantiveram com os menores rendimentos domiciliares per capita do país, seguidos pelo Pará (R$ 806,76).

Apesar do aumento nominal registrado de 2018 para 2019, a Bahia se manteve, no ano passado, com o quarto menor rendimento domiciliar per capita do Nordeste, superando, além de Maranhão e Alagoas, apenas o Piauí (R$ 826,81). Na região, o Rio Grande do Norte (R$ 1.056,59) continua com o maior rendimento domiciliar per capita médio, seguido de Sergipe (R$ 979,78) e Pernambuco (R$ 970,11).

Tanto Rio Grande do Norte (+10,5%) quanto Pernambuco (+11,4%) tiveram aumentos nominais maiores que o baiano (+8,5%), na comparação com 2018. O aumento em Sergipe (+8,1%) foi menor que o da Bahia. Em 2019, o rendimento domiciliar per capita médio na Bahia (R$ 912,81) se manteve abaixo (-8,5%) do salário mínimo vigente (R$ 998), embora tenha reduzido um pouco a distância em relação a 2018, quando representava -11,8% desse valor de referência.

Também diminuiu a diferença entre a renda domiciliar per capita média baiana e a média brasileira, de -38,7% em 2018 para -36,6% em 2019. No ano passado, o rendimento domiciliar per capita médio na Bahia se manteve como cerca de 1/3 (-66,0%) do valor no Distrito Federal, que continuou com a maior renda domiciliar per capita do país (R$ 2.685,76) e teve, em relação a 2018 um aumento de 9,2% nesse valor.

De 2018 para 2019, apenas 4 dos 27 estados brasileiros tiveram queda nominal do rendimento médio domiciliar per capita: Roraima (-13,3%), Pará (-6,5%), Acre (-2,1%) e Goiás (-1,3%).

Compartilhar