Terminou sem acordo o encontro entre representantes da Prefeitura de Salvador e da Integra (Associação das Concessionárias do Serviço de Transporte Público de Passageiros por Ônibus Urbanos de Salvador), realizado nesta quinta-feira (31) por intermédio do Ministério Público da Bahia (MP-BA).

A promotora que mediou a reunião foi Rita Tourinho. Em entrevista ao bahia.ba, ela revelou que nenhuma proposta foi apresentada pelos empresários.

“A Integra contestou diversos pontos do relatório apresentado pela prefeitura, mas não apresentaram nenhuma documentação na data de hoje (ontem). Não tem um ponto que tenha contestado com grande divergência, eles não concordam com o que seria o valor a ser cobrado”, disse.

No relatório apresentado pelo Município, segundo a promotora, a sugestão é que a tarifa seja aumentada em R$ 0,10, passando de R$ 3,70 para R$ 3,80.

Uma nova reunião foi agendada na sede do MP-BA para o dia 13 de fevereiro, quando a Integra deverá apresentar um novo estudo.

“Foi traçado um cronograma para fazer rodadas de negociações ao longo do mês de fevereiro, tendo a data limite o dia 24 para tentarmos chegar a um denominador comum”, disse o secretário de Mobilidade, Fábio Mota.

A reportagem também entrou em contato com o diretor de relações institucionais da Integra, Jorge Castro, que voltou a reforçar que a empresa não irá comentar sobre o assunto com a imprensa.

Impasse

Em dezembro do ano passado, a prefeitura chegou a anunciar que o reajuste seria aplicado a partir do dia 2 de janeiro, sem anunciar o valor. Alguns dias depois, o prefeito ACM Neto decidiu suspender o aumento, condicionando acordo à renovação da frota.

“Até que isto aconteça, a tarifa de R$ 3,70 está mantida. Ou seja, o reajuste que entraria em vigor dia 2 de janeiro não vai acontecer. Só vamos discutir o valor da tarifa quando os empresários iniciarem o processo de renovação da frota”, acrescentou.

Compartilhar