O vice-prefeito Bruno Reis afirmou que a gestão municipal tem se reunido com representantes de vários segmentos da economia local para discutir os protocolos de segurança que devem ser seguidos para que as atividades comerciais sejam gradualmente retomadas em Salvador. Ele sinalizou que a capital pode ter uma reabertura a partir do início do mês que vem.

“Nós iniciamos essas discussões e esperamos que, se tudo funcionar bem até domingo, ainda mais com essas medidas que adotamos ao longo desta semana, a gente possa, no início de junho, começar a flexibilizar e ir tentando retomar a rotina da cidade”, afirmou Bruno Reis, em entrevista ao PNotícias, na Piatã FM, na manhã desta quinta-feira (28).

Questionado sobre possibilidade de medidas mais duras, como o lockdown citado ontem por ACM Neto, Bruno Reis disse que o trabalho é para evitar que isso ocorra.

“Esperamos não ter que chegar ao toque de recolher e ao lockdown. Vamos continuar mantendo a nossa estratégia. Mas, para isso, é preciso ter a compreensão da população”, diz. “Quem mais quer que a cidade retorne à rotina somos nós”, acrescenta.

Ele destacou ainda que o esforço conjunto da Prefeitura e do governo estadual tem prorrogado o colapso da rede pública de saúde com a oferta de mais leitos. Os dados mais atuais mostram 76% de ocupação dos leitos de UTI e 66% de ocupação nos de enfermaria nessa rede. A expectativa é que passando essa semana crítica a situação melhore.

“Já a rede privada fechou na casa de 80%. Estamos bem próximos de um colapso. O que deu uma sobrevida para a gente esta semana foram as novas UTIs, que abrimos no Sagrada Família. O governo do estado ampliou os leitos de UTI no Hospital Espanhol e no Eládio Lassére”, diz.

Compartilhar