O procurador-geral da República, Augusto Aras, pediu nesta quinta-feira (26) ao Supremo Tribunal Federal (STF) que os R$ 51 milhões atribuídos ao ex-deputado federal Geddel Vieira Lima sejam destinados ao combate do novo coronavírus. A questão será decidida pelo ministro Edson Fachin.

“Como reconhecido no acórdão condenatório, tais valores são provenientes da prática de uma série de atos antecedentes de corrupção e de lavagem de dinheiro”, afirma Aras no pedido.

Em 2017, o dinheiro foi encontrado pela Polícia Federal (PF) em um apartamento em Salvador. Na época, a defesa de Geddel alegou que o valor decorre da “simples guarda de valores em espécie”.

Pelos fatos, no ano passado, o ex-parlamentar foi condenado pela Segunda Turma do STF a 14 anos e dez meses de prisão pelos crimes de lavagem de dinheiro e associação criminosa.

A Polícia Federal descobriu as nove malas com o dinheiro em um apartamento em Salvador, em setembro de 2017.

De acordo com as investigações, o apartamento foi emprestado ao ex-ministro para que guardasse os pertences do seu pai, já falecido. Durante as investigações sobre Geddel, surgiu a suspeita de que ele estava usando o local para esconder provas de atos ilícitos e dinheiro em espécie.

Compartilhar