A região metropolitana de Salvador registrou inflação de 0,18% em setembro deste ano. O número integra o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15), calculado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), e divulgado nesta quarta-feira (23). O IPCA-15 funciona como uma prévia da inflação oficial do mês.

Segundo o IBGE, o índice registrado na região metropolitana de Salvador foi considerado o menor do país, e ficou abaixo da média nacional (0,45%). Em setembro de 2019, a inflação na região ficou em -0,04%.

Na frente da Bahia, está a região metropolitana do Rio de Janeiro (0,19%), Belém (0,38%) e Porto Alegre (0,41%).

O IBGE divulgou, também nesta quarta, que houve uma desaceleração na região metropolitana de Salvador em relação ao mês de agosto, quando foi registrada inflação de 0,23%.

O baixo índice do mês de setembro foi resultado da queda em: saúde (-0,78%) e transporte (-0,52%), com influência, respectivamente, das quedas nos planos de saúde (-2,26%) e na gasolina (-2,66%). Individualmente, a gasolina foi o maior responsável para frear o aumento do índice na região.

Já no caso do grupo saúde e cuidados pessoais, a influência mais importante para conter o IPCA-15 de setembro, na RMS, veio dos planos de saúde (-2,26%), com produtos para pele (-4,20%).

As altas foram percebidas em: alimentação e bebidas (1,08%) e habitação (0,93%), sob efeito, respectivamente, das carnes (5,94%) e dos combustíveis domésticos e energia (1,21%). O óleo de soja foi o produto com maior aumento de preço no IPCA-15 de setembro (22,42%).

Entre as despesas com moradia, o aumento foi identificado em combustíveis e energia (1,21%), puxados pelas altas no gás de botijão (2,61%) e na energia elétrica (0,73%).

Entre janeiro a setembro, o IPCA-15 da região metropolitana de Salvador teve alta acumulada de 1,83%, a terceira maior do país, e ficou acima do registrado na média nacional (1,35%).

Compartilhar