Por Gabriel Amorim

Salvador passará a oferecer 210 vagas de tratamento para acolhimento de usuários de drogas. Ao todo, serão quatro instituições conveniadas, selecionadas através de chamamento público municipal.

A assinatura da parceria ocorreu nesta segunda-feira (17), no Palácio Thomé de Souza, e contou com as presenças do prefeito ACM Neto e da titular da Secretaria de Promoção Social  e Combate à Pobreza (Sempre), Ana Paula Matos, além de representantes das quatro entidades selecionadas.

As quatro empresas vão fundar seis unidades terapêuticas, que receberão um investimento total de mais de R$ 8 milhões por um período de dois anos. Cada comunidade acolherá 35 pessoas, que terão seus tratamentos custeados com um valor mensal de R$ 1.650.

As comunidades são separadas por público: existe uma exclusiva para mulheres e duas exclusivas para jovens de 18 a 21 anos. As unidades que oferecem este tipo de serviço são a Sentimento Novo, em Feira de Santana; Manassés, nas unidades de Cajazeiras, Lauro de Freitas e Feira de Santana; Agência Adventista de Desenvolvimento e Recursos Assistenciais (Adra), em Cachoeira; e Desafio Jovem, em Amélia Rodrigues.

Após a assinatura, ACM Neto destacou a importância do convênio. “São pessoas em situação extremamente vulnerável, que exigem um cuidado mais especial, um olhar mais atento. Quem é dependente de substância psicoativa necessita de  um cuidado especializado, que a prefeitura não tem condições, o conhecimento para cuidar dessas pessoas. Era necessário habilitar instituições que sabem como cuidar dessas pessoas”, disse.

Os usuários serão atendidos por equipes multidisciplinares compostas por assistente social, auxiliar de enfermagem, cuidador, educador social e psicólogo. Nos locais, serão ofertadas pelo menos três refeições diárias, em quartos coletivos para até seis pessoas, com garantia de salubridade, ventilação e condições de mobilidade, além de disponibilização de kits de higiene pessoal.

“Para pessoas que vivem em situação de uso abusivo de substâncias psicoativas, o serviço básico, tradicional, não é suficiente. Estudamos e identificamos as comunidades terapêuticas. São algumas unidades em Salvador e outras em cidades vizinhas, justamente pela possibilidade e oportunidade de uma nova vida em um outro lugar. Os assistidos vão ter acesso a profissionais de qualidade que possibilitem, junto com eles, uma condição de autonomia. O objetivo não é retirar as pessoas das ruas, no sentido de sair de perto. Pelo contrário, é dar a essas pessoas a oportunidade de um sonho de voltar à inserção social”, enfatizou a titular da Sempre, Ana Paula Matos .

Fonte: Correio da Bahia

Compartilhar