A médica pneumologista, Larissa Voss Sadigursky, selecionada para participar da pesquisa da vacina contra a Covid-19, idealizada pela Universidade de Oxford e pela farmacêutica AstraZeneca, tomou, no último sábado (27), a segunda dose do estudo da vacina, que foi precedida pela realização de exames de sangue. A especialista foi selecionada após se candidatar e realizar avaliações para averiguar se possui contraindicações ao estudo. A imunização está sendo testada em voluntários, sobretudo, profissionais da área de saúde.

Inicialmente, apenas uma dose seria aplicada nos voluntários, no entanto, o primeiro estudo publicado pela Universidade de Oxford e pela AtraZeneca, constatou que a aplicação de uma dose extra da vacina poderia contribuir no combate ao vírus. “No primeiro estudo publicado, foi percebido pela Universidade de Oxford e pela farmacêutica que, se uma dose extra da vacina fosse dada, uma quantidade maior de anticorpos poderia ser produzida, tornando-a mais eficaz contra o Sars-CoV-2. Então, com base nisso, todas as pessoas que tomaram a primeira dose da Covid-19 tomarão uma dose extra da vacina de Oxford,  enquanto que o grupo controle, que tomou a vacina para a meningite, tomará agora, placebo, neste caso, soro fisiológico”, explica Dra. Larissa, que tomou a primeira dose no dia 21 de julho. Antes, a médica havia passado pela primeira etapa realizada no Hospital São Rafael, em 18 de julho.

De acordo com a especialista, integrar o estudo é muito importante para ajudar no combate à Covid-19. “Esse estudo pode trazer resultados bastante positivos no combate ao vírus. Trata-se de um estudo randomizado, duplo cego e dividido em dois grupos. Um grupo tomará 2 doses da vacina da Covid-19 e o outro será o grupo controle, que tomará a vacina para meningite ACWY e uma dose de placebo. Tanto os pesquisadores, quanto aqueles que farão a vacina, não saberão quem tomará uma ou outra. Somente ao final do estudo ambos saberão quem tomou a vacina da Covid ou a vacina controle. Estou muito confiante de que, em breve, estaremos livres dessa Pandemia”, ressalta.

Compartilhar