65% dos médicos nos Estados Unidos disseram que prescreveriam cloroquina ou hidroxicloroquina para prevenir ou tratar o COVID-19 em um membro da família, de acordo com uma nova pesquisa divulgada na quarta-feira (8) pela Jackson & Coker, uma das maiores agências de empregos para médicos do país.

Apenas 11% disseram que não usariam o medicamento.

Enquanto isso, 30% dos médicos entrevistados disseram que prescreveriam os medicamentos a um membro da família, antes do aparecimento dos sintomas se eles fossem expostos ao coronavírus chinês.

“Trabalhando na área da saúde, aprendemos a melhor maneira de obter uma perspectiva sincera das opções de tratamento de um médico: ‘Você daria isso [a hidroxicloroquina]  à sua família?’”, disse Tim Fischer, presidente da Jackson & Coker. “As famílias nos EUA – e o mundo – realmente querem saber o que podem fazer para proteger e salvar seus entes queridos”.

Jackson & Coker conduziu a pesquisa com 1.271 médicos de 50 estados americanos de 4 a 7 de abril. Ele realizou a pesquisa não para influenciar o debate no tratamento de pacientes com a hidroxicloroquina, mas para garantir que a voz dos médicos seja representada. Tem uma margem de erro de cerca de 3%, com um nível de confiança de 95% dos médicos pesquisados.

A cloroquina e a hidroxicloroquina estão no mercado há muitos anos e tratam várias formas diferentes de malária. A hidroxicloroquina, no entanto, também é usada para tratar o lúpus e a artrite reumatoide. Os dois medicamentos antimaláricos receberam aprovação de emergência para uso ‘off label’ da Food and Drug Administration (FDA) na semana passada para tratar o COVID-19. No Brasil a Anvisa também autorizou o uso dos medicamentos para tratar o Covid-19.

Supondo que não houvesse contraindicação clínica, foi perguntado aos médicos se prescreveriam cloroquina ou hidroxicloroquina fora do rótulo se um membro da família desenvolvesse sintomas de COVID-19. Enquanto 54% responderam que sim, outros 11% disseram que administrariam se a doença se tornasse grave. 24% disseram que precisariam de mais dados para decidir; outros 11% disseram que não as prescreveriam.

Entre as especialidades mais dispostas a utilizar os antimaláricos cloroquina e hidroxicloroquina estavam anestesiologistas, subespecialistas em cirurgia, médicos em medicina diagnóstica, ginecologistas, internistas e médicos hospitalares.

Os médicos que eram mais cautelosos e queriam mais dados sobre o uso dos antimaláricos no tratamento do COVID-19 tendem a ser médicos com menos de 45 anos, acadêmicos e aqueles que praticam medicina em um sistema de saúde.

Entre os pontos críticos em que há os casos per capita mais altos de COVID-19, os médicos dos estados americanos de Nova Jersey, Louisiana, Washington e Michigan mostraram o maior apoio ao uso do medicamento para um membro da família ou para eles próprios. Em Nova Jersey, por exemplo, 77% dos médicos disseram que prescreveriam para um membro da família logo no início de uma doença. Em Nova York, 53% dos médicos disseram que prescreveriam para um membro da família. Na Louisiana, 69% disseram que prescreveriam para um membro da família e 60% dos médicos em Michigan disseram que prescreveriam para um membro da família.

A Jackson & Coker também descobriu que 67% dos médicos entrevistados disseram que tomariam os medicamentos para tratar o COVID-19. 56% disseram que tomariam a hidroxicloroquina ou a cloroquina se apresentassem sintomas, e outros 11% disseram que tomariam os medicamentos se ficassem muito doentes com o vírus chinês.

“Quando uma crise médica como essa surge, a voz dos médicos precisa ser ouvida. O ‘insight’ deles é poderoso para as famílias que enfrentam incertezas”, disse Fischer.

Compartilhar