Por Gabriel Rodrigues

O calendário de jogos do Bahia na temporada 2020 começou agitado. Três dias depois de estrear empatando sem gols com o Santa Cruz, na Copa do Nordeste, o tricolor já tem um novo desafio.

Hoje, o Esquadrão entra em campo diante do Imperatriz, às 20h, no estádio de Pituaçu, pela segunda rodada do torneio regional. A partida vai marcar a estreia do elenco principal do Bahia como mandante e o reencontro com o torcedor vem também como uma certa pressão.

A busca pelo primeiro triunfo na temporada é também a tentativa de quebrar um jejum. Jogando com o elenco principal, o Bahia não sabe o que é vencer em casa há oito jogos. A última vez que o tricolor conquistou os três pontos dentro dos seus domínios foi no dia 25 de setembro de 2019, quando bateu o Botafogo por 2×1, na 21ª rodada do Brasileirão.

No último domingo, o time venceu o Vitória da Conquista por 2×0, em Pituaçu, pelo Campeonato Baiano, mas na ocasião o Esquadrão usou o time de aspirantes do técnico Dado Cavalcanti.

Correria
Na preparação para encarar o Imperatriz, o técnico Roger Machado não teve muito tempo. Para o duelo contra o time do Maranhão, o Bahia fez apenas um treino, ontem, na Cidade Tricolor.  Por isso, a alternativa do Bahia foi a de recuperar os atletas o mais rápido possível. Tanto que o tricolor montou a logística para voltar a Salvador logo após a partida diante do Santa Cruz.

“Eu falo para o pessoal da logística que quando eu era atleta, gostava de voltar para casa o mais rápido possível. Mesmo chegando mais tarde, você está na sua casa, com sua família, toma café com eles, pode levar a filha na escola,  fazer um almoço de domingo em casa perto do núcleo familiar”, explicou Roger.

Do que viu contra o Santa Cruz na estreia, o comandante tricolor analisou a apresentação do time como positiva. Para ele, ainda há coisas para ajustar e a evolução será contínua ao longo do ano.

“Como treinador a gente nunca fica satisfeito, embora tenha visto muita coisa boa. A gente podia ter, no último terço do campo, atacar nas diagonais curtas que se apresentaram, para conseguir tirar os laterais e os zagueiros da posição. Poderíamos ter atacado mais a profundidade. De restante, acho que a gente se propôs a fazer o que trabalhamos, para neutralizar as virtudes do adversário e no segundo momento construir nosso jogo da forma que a gente queria”, analisou ele.

Compartilhar