A Polícia Federal da Austrália (AFP) agiu com base em uma denúncia das autoridades dos Estados Unidos para prender três pessoas no estado de Nova Gales do Sul, na costa leste da Austrália, em conexão com alegada produção de material de abuso infantil. Um homem de 52 anos é acusado de solicitar e possuir o material, enquanto uma mulher de 43 anos é acusada de possuir, transmitir e participar de ato sexual para a produção de material de abuso infantil.

Segundo a ABC News, ambos enfrentaram o Tribunal Local de Albury, em 2 de julho. A mulher foi posta em prisão preventiva.

Através de uma segunda investigação separada, um homem de 56 anos também foi preso, acusado de posse de material de abuso infantil. A polícia não acredita que ele esteja ligado ao outro homem de 52 anos e à mulher de 43.

Os dois homens foram libertados sob fiança condicional e os três enfrentarão o Tribunal Local de Albury em agosto.

A Polícia Federal da Austrália informou que, em janeiro, recebeu “vários relatórios” do Centro Nacional para Crianças Desaparecidas e Exploradas dos EUA, em relação às acusações de australianos terem enviado material de abuso infantil online.

Filhos retirados da custódia da mulher

A detetive superintendente australiana, Paula Hudson, disse que os filhos da mulher de 43 anos foram retirados de sua custódia como parte da operação.

“Eles foram removidos dos danos e agora estão sob cuidados”, disse Hudson.

Todos os três acusados podem enfrentar até 15 anos de prisão.

A detetive superintendente Hudson disse que as prisões devem servir de aviso a qualquer pessoa envolvida no uso de material de abuso infantil.

“Nossa mensagem para os infratores é que vamos ‘desanonimá-los’ e iremos caçá-los”, afirmou Hudson. “Infelizmente, o apetite social pela exploração infantil online é muito preocupante e sempre crescente. Apenas no ano passado, a AFP e o Centro Australiano de Combate à Exploração Infantil receberam 17.000 denúncias de exploração infantil online”.

Rede descoberta

Em junho deste ano, a Polícia Federal australiana desvendou uma das maiores redes de pedofilia da Austrália, com 2 dos 9 homens acusados ​​ligados à cidade onde uma criança, William Tyrrell, havia desaparecido em 2014.

A investigação liderada pela Polícia Federal da Austrália (AFP) desmantelou uma rede online doméstica de pedófilos, acusados ​​de abusar e explorar crianças australianas e de registrar crimes horríveis para compartilhar com outras pessoas. Nove homens foram presos em três estados – Nova Gales do Sul, Queensland e Austrália Ocidental.

Um inquérito para investigar como Tyrrell desapareceu será retomado em outubro.

A comissária assistente da AFP para o Centro Australiano de Combate à Exploração Infantil (ACCCE), Lesa Gale, disse que pelo menos 14 crianças foram salvas de outros danos, como resultado da investigação policial nacional sobre pedofilos que produzem e compartilham material de abuso infantil.

“Suspeitamos que essa seja a maior rede doméstica de exploração infantil descoberta nos últimos tempos”, disse Gale a repórteres.

“A Operação Arkstone abalou alguns de nossos oficiais mais experientes. Minha mensagem hoje aos infratores que assistem a este comunicado: estamos chegando. Estamos vindo para você!”, disse Gale.

Gale disse que as vítimas de pedofilia tinham entre 4 e 7 anos de idade.

Os pedófilos presos têm idades entre 21 e 26 anos, e foram acusados de abusos sexuais de menores de 10 anos, produzir material de abuso infantil e possuir/controlar material de abuso infantil.

Os acusados enfrentaram um tribunal local e foram presos sob custódia até o julgamento, que ocorrerá em 10 de setembro. Outros sete pedófilos foram anteriormente acusados ​​como parte desta mesma investigação.

A polícia alega que a análise das evidências apreendidas durante cada prisão ajudou a identificar outros suspeitos.

Gale disse que a polícia alegaria no tribunal que alguns dos acusados ​​haviam abusado sexualmente de crianças conhecidas por eles e gravaram vídeos e fotografias do abuso para compartilhar com outras pessoas online.

“Os esforços de todos os policiais envolvidos na investigação resultaram em pelo menos 14 crianças removidas de situações perigosas e salvas de abusos no futuro”, disse ela.

“Continuamos tentando identificar outras crianças que suspeitamos terem sido atacadas por indivíduos na suposta rede. É de partir o coração pensar que uma criança é abusada sexualmente, mas fortalece nossa determinação de caçar criminosos e levá-los à justiça. O abuso sexual tem um impacto devastador sobre as crianças e suas famílias, e esse abuso continua toda vez que uma imagem ou vídeo mostra que o crime é compartilhado”.

A polícia australiana usa uma série de técnicas de investigação para ajudar bas investigações em toda a Austrália e rastrear quem caça crianças – pessoalmente ou online.

“O uso de aplicativos ou sistemas criptografados não permitirá que você permaneça anônimo – nós temos as capacidades e a vontade de localizá-lo e prendê-lo”, disse Gale.

O detetive superintendente John Kerlatec disse que investigar crimes hediondos como esses é uma prioridade para todas as agências policiais australianas.

Compartilhar