Presidente do DEM na Bahia, o deputado federal Paulo Azi disse que a crise do PSL afeta a relação do governo do presidente Jair Bolsonaro com os demais partidos e atrapalha as votações de projetos na Câmara. Nos últimos dias, Bolsonaro entrou em confronto com o presidente nacional do PSL, Luciano Bivar, e a sigla se dividiu entre bolsonaritas e bivaristas.

“(O PSL) paga o preço de não ser um partido que tenha raízes, não tenha uma linha de pensamento única. Isso gerou esse tipo de divergência culminando neste racha que é muito ruim para o presidente, porque isso demonstra uma fragilidade nas relações dele com o partido. Isso causa um clima de desconfiança com outros partidos. No momento em que o presidente não consegue ter uma relação harmoniosa com o seu partido, isso efetivamente traz uma relação de desconfiança com os demais. E é por isso que até hoje ele não tem uma base consolidada de apoio no Congresso Nacional”, avaliou o democrata, em entrevista ao jornal Tribuna da Bahia.

Para Azi, o clima de radicalização ainda não passou no país. “O que é muito ruim para o país porque atravessa há algum tempo uma crise econômica e precisa de uma agenda de reformas, que faça com quer os investimentos privados alavanquem o crescimento do país e gere emprego. E esse clima, essa situação de extremismo dificulta”, pontuou. Ainda na entrevista, ele fala sobre a eleição de 2020, 2022 e sobre as reformas do país.

Compartilhar