A análise das caixas-pretas do avião ucraniano derrubado por mísseis do Irã, em janeiro, mostra que a aeronave foi atingida por dois mísseis, com 25 segundos de diferença entre eles, e que os passageiros estavam vivos no intervalo entre o primeiro e o segundo disparo.

A revelação foi feita pela agência de aviação civil do Irã, em seu primeiro relatório oficial sobre o material das caixas-pretas, enviadas para análise na França.

O governo do Irã admitiu ter derrubado o avião de modo acidental, em meio a uma forte crise com os Estados Unidos. Todas as 176 pessoas a bordo morreram.

“Dezenove segundos após o primeiro míssil atingir o avião, as vozes dos pilotos na cabine indicam que os passageiros estavam vivos. Vinte e cinco segundos depois [do primeiro impacto], o segundo míssil atingiu o avião”, disse Touraj Dehghani-Zanganeh, chefe da autoridade de aviação civil iraniana.

Após a primeira explosão, estilhaços tomaram o interior da aeronave. A equipe —dois pilotos e um instrutor que também viajava na cabine— tentaram manter o controle do veículo até o último momento.

O avião foi atingido por mísseis disparados do chão por militares do Irã em 8 de janeiro, pouco depois da decolagem, em Teerã. Houve uma grande explosão no ar, e os destroços do avião caíram nos arredores da capital iraniana.

Cinco dias antes, em 3 de janeiro, os EUA mataram o general Qassim Suleimani, principal líder militar do Irã, em um ataque com drones no Iraque. Houve risco de guerra entre os dois países, mas, num contrassenso, os ânimos se acalmaram após o acidente com o avião.

Na noite do dia 8, o Irã havia bombardeado uma base americana no Iraque, e os militares estavam alertas para detectar possíveis retaliações. Em meio à situação, o avião de passageiros foi confundido com uma ameaça e atacado.

Segundo outro relatório, divulgado em julho, houve uma falha de comunicação entre os operadores dos mísseis anti-aéreos e o centro de comando. Assim, eles teriam decidido agir rapidamente e abrir fogo sem a aprovação de seus superiores.

O relatório atual aponta que o avião abatido estava dentro da programação prevista e trasmitia seus dados de localização e identificação de forma adequeda.

O Irã e a Ucrânia têm debatido meios para indenizar as famílias das vítimas. Uma nova rodada de conversas está marcada para outubro.

Os persas vivem uma grave crise econômica, agravada por sanções impostas pelos EUA. É também o país do Oriente Médio mais atingido pela Covid-19, com mais de 350 mil casos e ao menos 20 mil mortes.

Compartilhar