Um acervo de objetos do século XIX foi descoberto por arqueólogos no subsolo do Largo do Santo Antônio, no Centro Histórico de Salvador. A área é tombada como Patrimônio do Brasil (1984) pelo governo federal e chancelada pela Unesco como Patrimônio da Humanidade (1985).

“Até agora, os achados são compostos por fragmentos de cerâmicas, faianças finas (cerâmica branca mais porosa que a porcelana), além de vidros, metais e porcelanas”, explica Railson Cotias, mestre em Arqueologia pela Universidade Federal de Sergipe (UFS).

De acordo com Railson, os objetos encontrados são relacionados a usos domésticos. Entre as descobertas têm-se utencílios de cozimento (cerâmica) e servir à mesa (faiança e porcelana).

“Estamos analisando a camada em que estes objetos foram encontrados, a partir de 1,5 metro de profundidade, podendo ser provenientes das várias obras de urbanização da praça ou mesmo de alguma relação ao Forte de Santo Antônio, a edificação mais próxima”, relata o especialista.

Compartilhar