Por Tailane Muniz – Correio da Bahia

Uma pessoa morreu e outras duas ficaram feridas, na madrugada desta segunda-feira (25), no Complexo do Nordeste de Amaralina, em Salvador. As vítimas foram identificadas como Valdemir Santos Higino, 22 anos, Bruno Silva Conceição, 21, e um adolescente de 16 anos.

Os episódios de violência aconteceram em locais diferentes. O primeiro, na Rua Emídio Pio, na Santa Cruz é consequência de uma ação da Polícia Militar e vitimou Bruno e Valdemir, que morreu pouco depois de dar entrada no Hospital Geral do Estado (HGE), para onde foi socorrido por PMs.

Bruno, levado para a mesma unidade de saúde, foi baleado no pescoço, braço e perna esquerda. O adolescente, que chegou no HGE socorrido por uma ambulância do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), foi atingido por disparos nas costas, e pernas esquerda e direita.

Os dois seguem internados em estado considerado estável. De acordo com os boletins de ocorrência do HGE, os crimes ocorreram entre 1h e 1h30 da madrugada.

Circunstâncias
O registro da entrada de Valdemir diz que ele trocou tiros com militares do Pelotão de Emprego Tático Operacional (Peto) da 40ª Companhia Independente da Polícia Militar (CIPM/Nordeste de Amaralina). Com ele, segundo a polícia, foram encontrados um revólver calibre 38 e “certa quantidade” de cocaína”.

Ainda conforme o boletim, os PMs foram chamados até a Rua Emidio Pio após uma denúncia anônima. “De que havia cerca de vinte indivíduos armados na localidade. Ao chegarem, policiais foram recebidos a tiros pelos meliantes”, encerra o documento.

Embora tenha ocorrido na mesma área, não há informações sobre as circunstâncias em que Bruno foi baleado. O boletim diz apenas que o jovem foi “encontrado ao solo”.

No caso do adolescente, contudo, a informação da mãe da vítima é de que ele estava acompanhado da namorada em uma festa de paredão quando foi atacado por homens não identificados.

A polícia investiga o caso, que está registrado na 28ª Delegacia (Nordeste) como tentativa de homicídio. No caso de Valdemir e Bruno, a investigação fica sob a responsabilidade da Corregedoria da Polícia Militar.

Compartilhar