O presidente da Assembleia Legislativa da Bahia – ALBA, Nelson Leal, abriu, hoje (24.09), no auditório jornalista Jorge Calmon, na Assembleia, a aula inaugural do curso de formação para 331 delegados, escrivães e investigadores da Polícia Civil, aprovados no concurso realizado em abril do ano passado. Ao lado dos secretários Maurício Barbosa, da Segurança Pública, e Jerônimo Rodrigues, da Educação, e do delegado-geral da Polícia Civil, Bernardino Brito Filho, Nelson Leal elogiou a capacidade do Governo do Estado em continuar investindo em segurança pública, desafiando uma crise sem precedentes para estados e municípios.

“Fico muito feliz que o Governo do Estado continue investindo em mais pessoal para a Polícia Civil, além dos recursos para equipamentos e viaturas, desafiando essa crise econômico-político-institucional em que vivemos há praticamente cinco anos. É um feito do governador Rui Costa. Quero ressaltar também a fala do secretário Maurício Barbosa, apontando que os Estados são responsáveis por 85% das despesas com segurança pública, enquanto a União desembolsa somente 7% dos recursos. É a comprovação do que estamos defendendo: um novo pacto federativo é crucial”, argumenta Leal.

 

Leal diz que os gastos dos estados com segurança cresceram mais de 30% nos últimos 10 anos, mesmo com a crise econômica e a consequente queda da receita. “O Governo da Bahia tem feito um esforço muito grande para aumentar os contingentes policiais, civis e militares, assim como reequipar as corporações. Já o Governo Federal tem feito muito pouco, tanto no esforço em torno de um plano nacional de segurança, quanto nos gastos com o setor. A criação do Sistema Único de Segurança Pública é um grande avanço, mas só um novo pacto poderá redefinir as competências entre os entes federativos”, diz o presidente da ALBA.

O secretário da Segurança Pública, Maurício Barbosa, disse que o esforço econômico é grande para garantir segurança e cidadania para todos os baianos. “No meu Instagram, os 331 novos acadêmicos da Polícia Civil mostravam ansiedade para começar o curso, mas a incorporação de novos policiais é um esforço muito grande do Governo da Bahia, e que onera bastante as nossas despesas. Mas é um investimento essencial, porque é a polícia, tanto a Civil quanto a Militar, que tem contribuído para colocar um pouco de ordem e organizar a nossa convivência em um tecido socialmente esgarçado”, destacou Barbosa.

CURSO

O curso de formação para 331 delegados, escrivães e investigadores, ministrado pela Academia da Polícia Civil, terá duração de 4 meses – 720 horas/aula – no Colégio Estadual Odorico Tavares, no bairro da Vitória, em Salvador. É dividido em sete módulos, como segurança pública, investigação criminal e inquérito policial, entre outros, com estágio supervisionado nas unidades da Polícia Civil e prova final para ingresso na carreira.

Compartilhar