O mês de março começou bem agitado na capital baiana. A tarde desta segunda-feira (1º), mais um dia de medidas restritivas no estado, foi marcada por manifestações contrárias às determinações do Governo do Estado e Prefeitura de Salvador. Os manifestantes iniciaram os protestos na Avenida Paralela e concluíram a ação no bairro do Comércio em frente a residência do prefeito de Salvador, Bruno Reis.

De acordo com os organizadores do movimento, a ação ocorreu de maneira pacífica e teve como objetivo reivindicar que não sejam mais adotadas iniciativas como o “Toque de Recolher”, “Lockdown” ou qualquer medida restritiva que impossibilite o funcionamento das atividades comerciais tanto na capital quanto no estado.

O deputado estadual Capitão Alden, principal crítico das medidas restritivas, participou ativamente da manifestação e fez questão de declarar seu apoio aos comerciantes e demais profissionais que estão sendo prejudicados pelos atos do Executivo Municipal e Estadual.

“Cadê os dados científicos que legitimem um ‘Lockdown’ na Bahia? Onde estão as ações efetivas do Governo do Estado para coibir o avanço da doença? Será que deixar o Hospital Metropolitano fechado com 265 leitos ociosos é o que Rui Costa chama de solução?” questiona Alden.

Para o parlamentar, a economia da Bahia segue a passos largos rumo a uma crise, pois ele considera o fechamento do comércio algo nocivo para os trabalhadores formais e informais. “Não negamos a existência da doença tampouco que medidas não devam ser adotadas, mas sacrificar os empregos de pais e mães de família é um preço muito caro. Quem pagará as contas destas pessoas? Rui Costa vai meter a mão no bolso para alimentar quem ficou em casa e perdeu o emprego?” alerta Alden.

Compartilhar