Moradores do bairro de Mussurunga, em Salvador, iniciaram uma manifestação na Avenida Paralela, na manhã desta quarta-feira (9), reclamando contra de uma obra que segundo eles está desmatando área de Mata Atântica, nos setores J e L da localidade. O grupo saiu do Setor I de Mussurunga e foi em caminhada até as imediações da estação do metrô.

De acordo com o grupo, além do desmatamento, alguns moradores estão sendo ameaçados por seguranças que atuam na obra.

Eles dizem não saber quem são os donos dos terrenos, mas que aparentemente não se trata de uma obra pública, já que não existe nenhuma placa de identificação.

A Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano (Sedur), no entanto, disse que as intervenções realizadas no local possuem as autorizações necessárias como Licença Ambiental e a Autorização de Supressão de Vegetação (ASV).

Uma equipe da Polícia Militar acompanha o movimento, que segue em um trecho marginal na avenida. A Superintendência de Trânsito de Salvador (Transalvador) informou que a manifestação não chegou a causar retenção na via.

Denúncias

Moradores criaram perfil na internet para divulgar imagens da obra em Mussurunga — Foto: Reprodução/Instagram

Moradores criaram perfil na internet para divulgar imagens da obra em Mussurunga — Foto: Reprodução/Instagram

Os moradores criaram uma conta nas redes sociais para divulgar o que vem ocorrendo na região. O perfil mostra fotos e vídeos das obras e afirma, em algumas publicações, que seguranças tentam coagir os moradores com ameaças, tentando impedir o registro das imagens.

“Os caras estão invadindo o terreno de todo mundo. Ameaçando, já deram tiro. Está todo mundo coagido, não podem nem chegar perto. Tem um lá tentando lutar, mas já botaram até arma na cara dele. Construtora que ninguém sabe o nome. Não existe uma placa, não existe referência nenhuma”, diz um homem em um dos vídeos publicados, enquanto tratores são mostrados removendo terra no local.

Segundo as publicações, árvores foram arrancadas, o lago está sendo aterrado e alguns animais morreram por causa das obras e a rede de esgoto de imóveis também foi danificada na localidade.

A Sedur informou que os serviços foram licenciados pelo órgão “seguindo os requisitos legais”. Ainda de acordo com o órgão, constantes vistorias têm ocorrido no local para verificar se as intervenções estão sendo realizadas conforme à legislação e nenhuma irregularidade foi identificada.

Compartilhar