Segundo o colunista Guilherme Amado, da revista Época, o ministro do STF, Celso de Mello, responsável por comandar o inquérito que investiga a suposta interferência de Bolsonaro na Polícia Federal, teria sido taxado por um adjetivo ‘fora do comum’ por um colega do próprio STF.

O adjetivo teria sido usado pela forma que Mello vem atuando na condução do caso.

Segundo Amado, um ministro da Corte disse em anonimato:

“Celso está possuído.”

Compartilhar