Normalmente, o ouvido entope por acúmulo de cerume, substância produzida pelo canal externo do ouvido e que tem como função proteger e lubrificar o local. No entanto, o sintoma também pode indicar uma otite ou obstruções na tuba auditiva. Por isso, o melhor é sempre procurar um otorrinolaringologista para ser examinado e, assim, identificar a real causa do ouvido entupido.

No caso de uma otite, geralmente o ouvido tapado vem junto com dor e, algumas vezes, presença de pus. O tratamento se dá com o uso de antibióticos. Já nas obstruções da tuba auditiva, isso pode acontece por conta de inflamações do nariz, como rinites, sinusites ou mesmo hipertrofia do tecido adenoideano. Por isso, o tratamento é específico para cada causa, podendo até mesmo ser cirúrgico quando da hipertrofia da adenoide.

Caso seja identificado que o ouvido entupido tem a ver com o excesso de cerume, pode ser indicado o uso de gotas otológicas (loção ceruminolitica) para diluir a cera. Ou então, no consultório, o otorrinolaringologista ajuda a desentupir o ouvido por meio de lavagem, por aspiração ou retirada com uma pequena cureta, dependendo da quantidade, da densidade e da localização (mais profunda ou mais superficial).

Mas atenção: os profissionais não indicam o uso em casa de hastes flexíveis ou de metal para a remoção da cera, pois isso pode empurrar ainda mais o cerume para dentro ou então machucar o tímpano. Portanto, é importante ressaltar que o ouvido é uma estrutura superdelicada, e qualquer sensação de desconforto deve ser imediatamente avaliada pelo especialista para evitar o agravamento dos sintomas e até mesmo uma possível perda auditiva.

Fontes: Aída Assunção, chefe do serviço de otorrinolaringologia do HUPE (Hospital Universitário Pedro Ernesto), professora assistente da disciplina de otorrinolaringologia da FCM/UERJ (Faculdade de Ciências Médicas da Universidade do Estado do Rio de Janeiro); Fausto Nakandakari, médico otorrinolaringologista do Hospital Sírio Libanês, em São Paulo; Flávio Barbosa Nunes, professor do Departamento de Oftalmologia e Otorrinolaringologia da Faculdade de Medicina da UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais); e Rafael Malinsky, médico otorrinolaringologista do Hospital Moinhos de Vento, em Porto Alegre.

Compartilhar