A requalificação do Santo Antônio Além do Carmo, bairro no Centro Histórico de Salvador, foi concluída pela Companhia de Desenvolvimento Urbano do Estado da Bahia (Conder), mais de um ano após o início das obras.

A área integra uma região de tombamento federal como Patrimônio do Brasil (1984), chancelada pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) como Patrimônio da Humanidade por causa do conjunto arquitetônico, paisagístico e urbanístico.

As obras de requalificação começaram em março de 2020 e geraram muitos transtornos para os moradores da região por causa dos adiamentos. Inicialmente, a requalificação seria entregue em julho do mesmo ano. Depois foi adiada para dezembro, em seguida para fevereiro de 2021 e terminadas em maio.

A Conder explicou que a obra se estendeu porque, para evitar a contaminação dos operários com Covid-19 foi preciso fazer um revezamento e diminuição de jornadas dos trabalhadores. Além disso, também houve escassez de material na Bahia, como cimento e paralelepípedos.

Ainda durante as obras, aconteceu um “roubo cinematográfico” de fios de cobre, que terminou com quatro pessoas indiciadas por furto e associação criminosa.

Segundo a Conder, a obra incluiu a retirada do asfalto de 17 mil m² de ruas, ampliação de calçadas, além do rebaixamento subterrâneo dos fios para eletricidade e telecomunicações.

Roubo ‘cinematográfico’

Moradores de bairro em Salvador relatam que grupo disfarçado de operário invadiu obra e roubou fios de cobre — Foto: Reprodução/TV Bahia

Moradores de bairro em Salvador relatam que grupo disfarçado de operário invadiu obra e roubou fios de cobre — Foto: Reprodução/TV Bahia

O furto dos fios de cobre aconteceram na manhã de um domingo, dia 27 de setembro, na rua principal do bairro. Um grupo de homens, com fardas de operário aproveitaram uma obra no local para retirar fios de cobre subterrâneos.

Os moradores contaram que eles usaram maquinário pesado, com retroescavadeira e caminhão, e chegaram a pedir que moradores tirassem os carros da rua. Como o caso aconteceu em um domingo, a população estranhou a situação.

No entanto, os supostos operários chegaram no local com máquinas pesadas e, com isso, os moradores não desconfiaram rapidamente de que se tratava de um roubo. Durante a escavação, os suspeitos chegaram a danificar a tubulação de água, e o bairro ficou com o abastecimento temporariamente suspenso.

Quando os moradores passaram a desconfiar que havia algo de errado com os supostos operários, eles passaram a filmar e fotografar a ação. Depois de escavar e roubar os fios, os homens guardaram os equipamentos, liberaram a rua, recolheram os fios e foram embora.

Depois que o caso foi registrado na delegacia pela empresa responsável pela obra, dias após o crime, um dos homens que participou da ação disse que foi contratado para fazer a retirada dos fios da obra, com a promessa de divisão do valor de venda.

Com farda de operário e retroescavadeira, grupo invade obra e rouba fios de cobre — Foto: Reprodução/TV Bahia

Com farda de operário e retroescavadeira, grupo invade obra e rouba fios de cobre — Foto: Reprodução/TV Bahia

Ele trabalha em uma empresa de sucata e conta que foi procurado por funcionários da empresa Pejota Construções, responsável pela execução da obras. Durante as investigações, a polícia identificou um suspeito chamado Tailan, que se apresentava como engenheiro da construção, mas na verdade era estagiário da empresa.

Os operários que fizeram a remoção dos fios de cobre contaram que Tailan quem tinha contratado o grupo para retirar os fios. Na época do caso, o G1 tentou contato com Tailan e sua defesa várias vezes e não conseguiu falar.

Também na época, a Pejota Construções afirmou várias vezes não ter qualquer relação com o furto e disse não ter contratado ninguém para remover a fiação. Além disso, a empresa instaurou sindicância para apurar o envolvimento do estagiário Tailan e afastou ele da construtora.

O inquérito foi concluído em novembro de 2020 e as quatro pessoas foram indiciadas por furto e associação criminosa.

Compartilhar