Baleias foram vistas durante expedição — Foto: Eduardo Melo/Projeto Baleia Jubarte

Baleias foram vistas durante expedição — Foto: Eduardo Melo/Projeto Baleia Jubarte

Setenta e duas baleias jubarte foram avistadas, em cinco dias, entre Salvador e Itacaré, que fica no sul da Bahia. Dezoito eram filhotes. Os registros foram feitos por equipes do projeto Baleia Jubarte, que trabalha no monitoramento, pesquisa e conservação da espécie.

Integrantes do projeto estão em uma expedição, que saiu da capital baiana, e vai até o litoral do Espírito Santo, com o intuito de observar as baleias, catalogar e colher material para pesquisas. O projeto Baleia Jubarte estima que a população brasileira dos animais seja de cerca de 20.000.

Todos os anos, as baleias jubartes viajam da Antártida até o litoral brasileiro para acasalar e ter os filhotes, já que, mesmo no inverno, as águas do país sã mais quentes e calmas. O local preferido delas é Abrolhos, que fica no extremo sul da Bahia e é considerado o berçário da espécie.

Todos os anos, as baleias jubartes viajam da Antártida até o litoral brasileiro — Foto: Eduardo Melo/Projeto Baleia Jubarte

Todos os anos, as baleias jubartes viajam da Antártida até o litoral brasileiro — Foto: Eduardo Melo/Projeto Baleia Jubarte

Antes de seguir rumo ao Espírito Santo, as equipes do projeto avistaram 60 baleias, sendo 16 filhotes, entre Praia do Forte e Salvador.

As equipes do projeto Baleia Jubarte fazem um cruzeiro de pesquisa de longo curso, com paradas em localidades da costa – Morro de São Paulo, Barra Grande, Itacaré, Ilhéus, Porto Seguro, Cumuruxatiba e Caravelas.

A viagem é para fazer levantamento sobre como a pandemia do coronavírus pode ter afetado as populações de baleias, apesar delas não contraírem a Covid-19. Um documentário será produzido sobre a expedição.

O projeto também fará diversas atividades de pesquisa, como a contagem dos animais avistados, foto-identificação de indivíduos, fotogrametria e registro visual para avaliação de condições de saúde, biópsias de pele e gordura para estudos genéticos e de contaminação por poluentes, e monitoramento acústico do ambiente marinho e do canto das baleias com hidrofones.

Compartilhar