A vaga de senador pelo Piauí deixada pelo novo ministro da Casa Civil do governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), Ciro Nogueira (PP), será ocupada por sua mãe, Eliane e Silva Nogueira Lima (PP-PI), primeira suplente.

Aos 72 anos, Eliane Nogueira assumirá o seu primeiro mandato político. Empresária, a futura senadora compôs a chapa de Ciro Nogueira em 2018. O segundo suplente é o prefeito de Picos, no Piauí, Gil Marques de Medeiros. Gil Paraibano, como é conhecido, também é do PP.

Conforme a Lei das Inelegibilidades, a indicação de parentes à suplência das chapas que concorrem ao Senado não é ilegal. No ano passado, o senador Fabiano Contarato (Rede-ES) apresentou o PLP 253/2020, que visa proibir a eleição de suplentes que sejam cônjuges, companheiros ou parentes dos candidatos. O projeto ainda não foi analisado pelo Senado.

O nome de Ciro Nogueira também integra a lista de membros titulares da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Pandemia. A mãe do agora ministro, no entanto, não assumirá automaticamente a vaga deixada pelo filho.

A comissão é formada de acordo com a indicação dos blocos parlamentares do Senado. Nesse caso, a líder do Bloco Parlamentar Unidos Pelo Brasil, senadora Mailza Gomes (PP-AC), pode nomear um novo titular para o colegiado.

Até lá, os senadores Jader Barbalho (MDB-PA) e Luis Carlos Heinze (PP-RS), suplentes do bloco, devem substituir o parlamentar nas reuniões.

Compartilhar