O deputado federal Otto Alencar Filho (PSD-BA) defendeu nesta sexta-feira, 5, punições mais duras para a disseminação de notícias falsas. Ele e o pai, o senador Otto Alencar (PSD-BA), foram alvos recentes de uma fake news disseminada, inclusive, pelo presidente Jair Bolsonaro.

O texto, repassado por Bolsonaro ao ex-ministro da Justiça e Segurança Pública Sergio Moro, dizia que o INTS, instituto que venceu a licitação para administrar o hospital de Campanha montado pelo governo no Hospital Espanhol, era de propriedade dos dois. No entanto, a família dos políticos nunca teve ligação com a entidade. O deputado e o senador denunciaram o caso à Polícia Civil baiana, que identificou os autores da notícia falsa: os bolsonaristas baianos Jair Roberto Rosa, Ernando Peixoto e Cristiana Santana Pereira Ribeiro, esta última pré-candidata a vereadora em Feira de Santana. O trio está sendo processado pela família. O senador ainda pediu ao Supremo Tribunal Federal (STF) que investigue o repasse da fake news por Bolsonaro.

Em entrevista na rádio A TARDE FM, defendeu o projeto de lei que tramita no Congresso Nacional e prevê punições mais duras a quem espalha fake news. O texto causou polêmica na semana passada, após o relator da matéria, senador Angelo Coronel (PSD-BA), apresentar um relatório com medidas consideradas ameaças à liberdade de expressão por entidades ligadas à causa. Uma delas é a previsão de que, para criar contas em redes sociais, o usuário precise apresentar CPF e RG. Após as reações, o projeto acabou sendo retirado de pauta para alterações.

Questionado se este seria o melhor momento para votar o texto, já que o Brasil vive os efeitos de uma pandemia, Otto Filho afirmou sempre é hora de “combate a qualquer tipo de ilegalidade e delinquência”.

‘Vamos continuar intensificando e endurecendo a lei de quem utiliza imagens e textos anônimos para denegrir (SIC) a imagem de alguém. Fizemos um projeto inicial tímido, mas agora Câmara e Senado perceberam que é preciso endurecer as regras”, disse o deputado. Indagado sobre o relatório controverso de Coronel, no entanto, o parlamentar ponderou que é preciso avaliar “caso a caso”.

Otto Filho também defendeu que liberdade de expressão é diferente de cometer crimes. “É bom que deixe claro que temos total interesse de que continuemos ter liberdade de expressão, mas ela deve ter limite na mentira. Posso dizer a vocês que, em 34 anos de política, o senador Otto Alencar já fez a gestão de todas as pastas da Bahia e nunca teve um processo na vida. Temos uma vida de trabalho ilibada. Pra nós, esses valores morais familiares são muito caros. Não aceitamos, nunca aceitaremos esse tipo de agressão”, afirmou.

Compartilhar