A justiça absolveu, na quarta-feira (16), a gerente da farmácia Pague Menos da cidade de Camaçari, região metropolitana de Salvador, onde uma explosão, em novembro de 2016, matou 10 pessoas. Maria Rita dos Santos Sampaio chegou a ser acusada pela tragédia, junto com outras quatro pessoas, mas teve seu caso desmembrado, sendo julgada separadamente.

A Justiça entendeu que ela não teve culpa na tragédia. Investigações do Ministério Público do Trabalho da Bahia (MPT-BA) apontaram que a tragédia foi em decorrência de várias falhas graves de segurança durante a realização de uma reforma na laje da farmácia.

O órgão apontou que o ambiente não contava com sistema de ventilação e era propício para a ocorrência do acidente, com substâncias inflamáveis em forma de gases, vapores, névoas, poeiras ou fibras, além de fontes de energia de ativação, como maçarico, lixadeira e outros equipamentos geradores de fagulha.

De acordo com a decisão do juiz Waldir Viana Ribeiro Júnior, da Vara do Júri de Execuções Penais da comarca de Camaçari, que absolveu a gerente, a tragédia foi motivada por uma decisão que não cabia à ela, “já que é uma cultura da empresa manter o funcionamento das lojas, mesmo com a unidade passando por serviços de reparo ou reforma”.

As outras quatro pessoas denunciadas após a tragédia ainda não foram julgadas.

Em setembro deste ano, a rede de Farmácia Pague Menos foi condenada pela Justiça do Trabalho da Bahia a pagar R$ 2 milhões por submeter seus empregados a um ambiente de trabalho inseguro.

Compartilhar