LEIA TAMBÉM:

Por Ricardo Bomfim – Infomoney

O Ibovespa Futuro abre em queda nesta quinta-feira (25) estendendo as perdas do pregão anterior, quando o índice à vista caiu 1,66%. Hoje é mais um dia em que o mercado brasileiro acompanha o que ocorre nos índices futuros americanos, que continuam refletindo as preocupações com o aumento de casos de coronavírus.

Mais de 45 mil novas infecções pela Covid-19 foram confirmadas na quarta-feira nos Estados Unidos, uma marca que ultrapassa o pico de 26 abril, quando foram registrados 36 mil novos casos. Os estados que mais viram crescimento no coronavírus foram Texas, Florida, California e Arizona.

Entre os indicadores, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo – 15 (IPCA-15) teve leve alta de 0,02% em junho na comparação mensal, após ter registrado baixa de 0,59% em maio, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A expectativa era de que o indicador medido pelo IPCA-15 tivesse leve deflação de 0,06% em junho na comparação mensal, segundo estimativa mediana em pesquisa Bloomberg.

Às 09h14 (horário de Brasília) o contrato futuro do Ibovespa para agosto tinha queda de 0,4% a 94.320 pontos.

Enquanto isso, o dólar comercial sobe 0,74% a R$ 5,3621 na compra e a R$ 5,3638 na venda. Já o dólar futuro para julho opera em alta de 0,16% a R$ 5,358.

“O mercado realmente se assustou com a perspectiva de um grande aumento da Covid. Começaram a ver fechamento dos lugares que estavam abrindo, pressionando a economia e diminuindo as perspectivas para o mercado de ações”, disse, à Bloomberg, Margie Patel, gerente de portfólio da Wells Fargo Asset Management.

Auxílio emergencial

O Palácio do Planalto quer acelerar o Renda Brasil, programa que deve substituir o Bolsa Família. Segundo o jornal Folha de S.Paulo, a avaliação do governo é que o auxílio emergencial de R$ 600 deu sustentação ao presidente Jair Bolsonaro nas classes mais pobres.

Inicialmente, o auxílio seria de R$ 200, mas foi elevado após a medida provisória ser submetida ao Congresso Nacional. Há uma pressão de aliados para que o auxílio seja prorrogado, o que não agrada a equipe econômica. O anúncio do Renda Brasil seria uma forma de reduzir essa pressão.

O ministro da Secretaria de Governo, Luiz Ramos, chegou a anunciar em sua conta no Twitter, nesta quinta-feira pela manhã, a prorrogação do auxílio por mais três parcelas que iriam sendo reduzidas gradativamente (R$ 500, R$ 400 e R$ 300). A postagem, no entanto, foi retirada do ar poucos minutos após sua publicação.

Eleições

O adiamento das eleições municipais foi aprovado no Senado, mas a proposta de emenda constitucional (PEC) encontra dificuldades para ser aprovada na Câmara dos Deputados, segundo reportagem do jornal “Folha de S.Paulo”.

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), ver alertando que não há consenso entre os deputados, em especial entre as bancadas do MDB, PP, PL, DEM, Republicanos e PSL, que somam 216 votos de um total de 513. Para ser aprovada, a PEC precisa de três quintos dos deputados (308 votos) em dois turnos de votação.

Conforme o texto aprovado no Senado, o primeiro turno seria adiado de 4 de outubro para 15 de novembro. O segundo passaria de 25 de outubro para 29 de novembro.

Panorama corporativo

No cenário corporativo, o destaque é a aprovação, na noite de quarta-feira, do marco legal do saneamento básico.

A medida, em tese, deve estimular investimentos privados no setor e a possível privatização das estatais que atuam nesse segmento, o que pode estimular as ações das que possuem ações listadas em Bolsa, como Copasa e Sabesp.

Já entre as empresas mais afetadas pela crise causada pela pandemia do novo coronavírus, a Gol espera finalizar um acordo com o governo federal.

A ideia é que o governo compre até R$ 100 milhões em passagens da companhia aérea como forma de ajudar o grupo a atravessar os efeitos da crise. Além disso, a expectativa é que o BNDES conclua até a próxima semana o pacote de apoio financeiro, que para a Gol deve ser de R$ 2 bilhões.

Compartilhar