A Polícia Federal e o Ministério Público Federal (MPF) cumprem cinco mandados de prisão preventiva e 20 mandados de busca e apreensão em Guanambi, Luís Eduardo Magalhães e Palmas do Monte Alto contra um grupo acusado de movimentar mais de R$ 160 milhões com o contrabando de cigarros paraguaios.

Alvo da Operação Tabapy, o grupo, que tem atuação no Sudoeste da Bahia, é investigado por associação criminosa especializada na importação, transporte e distribuição de cigarros paraguaios. A operação conta com a participação de cerca de 80 policiais federais e é fruto de trabalhos investigativos iniciados em agosto de 2020.

De acordo com as investigações, a associação criminosa sediada em Guanambi atua no contrabando de cigarros importados ilicitamente do Paraguai e distribuídos em todo o sudoeste da Bahia. Durante o período investigado, o grupo criminoso movimentou mais de R$ 160 milhões em contas bancárias de pessoas vinculadas à associação criminosa.

Além das medidas de busca e apreensão e prisão, a Justiça Federal determinou o bloqueio de contas bancárias e o sequestro de bens móveis e imóveis em até R$ 42.178.114,50 , tornando-os indisponíveis para alienação e transferência. Os envolvidos responderão pelos crimes de contrabando de cigarros (art. 334-A do Código Penal), associação criminosa (art. 288 do Código Penal) e sonegação fiscal (Lei 8.137/90).

Compartilhar