O governo do estado espera realizar no próximo mês de setembro, na Bolsa de Valores de São Paulo,  o leilão  para a escolha da empresa que vai construir e explorar, por 30 anos,  a Ponte Salvador-Itaparica. A informação é do  secretário  de Infraestrutura, Marcus Cavalcanti. Segundo ele, o negócio  tem atraído o interesse não apenas de grandes grupos chineses mas também de empresas da Itália, Espanha e Inglaterra.

“O processo está avançando”,  afirmou o secretário,  ontem, durante uma audiência pública, realizada no auditório   da  Secretaria de Infraestrutura, no CAB. O evento, que debateu  o projeto do Sistema Rodoviário Ponte Salvador-Ilha de Itaparica,   atraiu dezenas de pessoas, entre representantes do governo,  investidores, e moradores das cidades impactadas pelo projeto, como Vera Cruz e Itaparica.

Segundo   Marcus Cavalcanti, após o leilão, a empresa vencedora do processo terá um prazo de até 30 dias, prorrogável por mais 30, para a assinatura do contrato. Depois, terá mais um ano para análise e captação de financiamentos. “Depois disso, serão quatro anos para a construção do equipamento”, afirmou.

Orçado em R$ 5,34 bilhões, com aporte de R$ 1,51 bilhão do governo do estado, o projeto do  Sistema Rodoviário Ponte Salvador-Ilha de Itaparica terá impacto direto e indireto em pelo menos 250 municípios do estado.  “É um projeto que vai encurtar em pelo menos 100 km a distância  de muitas dessas cidades para Salvador. No caso de Belmonte, por exemplo, serão 283 km a menos” destacou João Leão, vice-governador e secretário de Desenvolvimento Econômico.

João Leão informou ainda  que o projeto terá um forte impacto na arrecadação da União, dos estados e municípios. “Serão  R$ 57 bilhões  a mais durante o período de concessão. É uma obra de infraestrutura  perfeitamente viável. Nós não estamos sonhando”, afirmou o vice-governador, acrescentando ainda que a Ponte Salvador-Ilha de Itaparica terá  12,3  quilômetros de extensão

A prefeita de Itaparica, Marlylda Barbuda, disse torcer para “que a ponte chegue o quanto antes. Temos certeza que ela trará benefícios, como maior arrecadação e proximidade com a capital. Nós já temos visto um movimento de aquisição de imóveis. Com a ponte, temos a possibilidade de organizar a cidade de uma melhor forma”.

Compartilhar