Brasília – O presidente do TSE, ministro Gilmar Mendes, durante encontro com o presidente da República em exercício, Rodrigo Maia, para discutir a reforma política (Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)

Em entrevista ao Valor, o general Eduardo José Barbosa, presidente do Clube Militar, comentou sobre a fala de Gilmar Mendes, que usou o termo “genocídio” em referência aos militares que estão à frente do Ministério da Saúde durante o combate da Covid-19 no país.

Na ocasião, Gilmar disse:

“Não podemos mais tolerar essa situação que se passa no Ministério da Saúde. Não é aceitável que se tenha esse vazio. Pode até se dizer: a estratégia é tirar o protagonismo do governo federal, é atribuir a responsabilidade a estados e municípios. Se for essa a intenção é preciso se fazer alguma coisa. Isso é péssimo para a imagem das Forças Armadas. É preciso dizer isso de maneira muito clara: o Exército está se associando a esse genocídio, não é razoável. É preciso pôr fim a isso”.

Em resposta, o general José Barbosa repudiou veemente a declaração e disse que a fala é criminosa.

Ele ainda frisou que “ele [Gilmar] é conhecido como o ministro que mais soltou corruptos no Brasil”.

Compartilhar