Os familiares de uma mulher que foi confirmada com coronavírus na cidade de Feira de Santana também estão sendo monitorados pelas autoridades de saúde. A Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab) informou, nesta sexta-feira (6), que uma paciente de 34 anos deu positivo para o Covid-19 e que está acompanhando o estado de saúde dela e dos familiares. Ela mora em Feira e voltou de uma viagem à Itália em 25 de fevereiro.

“A paciente encontra-se em isolamento domiciliar e os contactantes após a manifestação dos sintomas, que são os familiares, estão em monitoramento. No momento, a paciente encontra-se assintomática. A vigilância municipal de Feira de Santana, o Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde da Bahia (Cievs-BA) e o Núcleo Regional de Saúde Leste monitoram o caso”, diz a nota.

Ainda não há informações se o vírus confirmado na Bahia é o mesmo encontrado em pacientes de outros estados brasileiros. Até então as autoridades de saúde detectaram dois genomas do Covid-19 no Brasil.

A infectologista Ana Paula Alcântara afirmou que o isolamento de pacientes com doenças virias é importante para evitar a disseminação da doença. A orientação é que a pessoa que está contaminada evite sair de casa e não faça contato com multidões.

“Quem tem o diagnóstico confirmado, mas não apresenta sintomas da doença, pode ficar em casa, mas terá que seguir algumas recomendações. É preciso usar máscara para não contaminar outras pessoas, lembrando que a máscara precisa ser trocada a cada 4h, não pode ir ao trabalho, escola, ou qualquer outro local que reúna um aglomerado de pessoas. Por isso, inclusive, alguns países estão proibindo eventos com multidões”, disse.

A especialista contou que higienizar as mãos com água e sabão, ou com álcool gel, é a melhor forma de prevenção, além de cobrir a boca e o nariz ao tossir ou espirrar. Como os sintomas do Covid-19 são semelhantes ao de uma gripe comum é preciso estar atento se o paciente esteve nas áreas de risco ou em contato com pessoas que estiveram nesses locais. Nessas situações, é preciso procurar um médico imediatamente.

Já o papel dos órgãos públicos deve ser de monitoramento. “A vigilância sanitária é bem atuante nesse sentido. A medida que o caso é confirmado, a vigilância vai na casa do paciente e vai ligar para essa pessoa, diariamente, com orientações sobre como proceder. Esse trabalho é feito tanto pelo estado como pelo município. Lembrando que no momento não há motivo para pânico. Temos um único caso confirmado, em que o paciente já foi orientado, está em isolamento e sendo monitorado”, explicou a infectologista.

O período de isolamento alterna, mas, em média, dura 14 dias. Ela destacou também a campanha de vacinação contra a gripe. A ação estava prevista para começar no dia 19 de abril com grupos com crianças, idosos e gestantes, mas o Ministério da Saúde resolveu antecipar o início da campanha para o dia 23 de março, por conta do coronavírus.

Conscientização
A Sesab informou que está realizando uma campanha de conscientização sobre a importância da higiene regular das mãos e ratificando a necessidade de cumprimento da Legislação Estadual nº 13.706/2017, que determina a disponibilização de dispensadores de álcool gel por parte de estabelecimentos comerciais que prestam serviços diretamente à população.

O objetivo é prevenir as pessoas contra infecções virais como Coronavírus, H1N1, H3N2 e Influenza B. A Secretaria listou também os cuidados básicos para reduzir o risco geral de contrair ou transmitir infecções respiratórias agudas, incluindo o novo coronavírus. Confira:

• Evitar contato próximo com pessoas que sofrem de infecções respiratórias agudas;

• Realizar lavagem frequente das mãos, especialmente após contato direto com pessoas doentes ou com o meio ambiente;

• Utilizar lenço descartável para higiene nasal;

• Cobrir nariz e boca quando espirrar ou tossir;

• Evitar tocar mucosas de olhos, nariz e boca;

• Higienizar as mãos após tossir ou espirrar;

• Não compartilhar objetos de uso pessoal, como talheres, pratos, copos ou garrafas;

• Manter os ambientes bem ventilados;

• Evitar contato próximo a pessoas que apresentem sinais ou sintomas da doença;

• Evitar contato próximo com animais selvagens e animais doentes em fazendas ou criações;

• Profissionais de saúde devem utilizar medidas de precaução padrão, de contato e de gotículas (máscara cirúrgica, luvas, avental não estéril e óculos de proteção).

Compartilhar