O número de casos de Aids, doença provocada pelo Vírus da Imunodeficiência Humana (HIV), diminui em 60% entre os anos de 2017 e 2018, segundo dados da Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab).

Em 2017 foram registrados 1.817 casos em todo o estado. No ano seguinte, em 2018, o total foi de 736, número menor do que a metade do total de registrado no ano anterior.

Em 2017, só em Salvador, houve o registro de 732 pessoas com a doença. Feira de Santana, que fica a cerca de 100 Km da capital baiana, ocupou a segunda posição, com 144 casos.

Juazeiro, na região norte do estado, teve 50 pessoas infectadas no mesmo período. Já Lauro de Freitas e Camaçari, ambas na região metropolitana de Salvador, foram, respectivamente, 46 e 41 casos.

Na época, os números foram divulgados também pela Sesab e mostrava que Salvador, Feira de Santana, e Juazeiro eram os municípios com o mais casos da doença.

Em 2018, Salvador continuou na liderança da lista, com 313 casos. A segunda cidade com maior número de pessoas infectadas no ano passado foi Feira de Santana, com 54.

Já em Itabuna, em todo ano de 2018, 17 pessoas descobriram que estavam contaminadas pelo vírus. Lauro de Freitas e Juazeiro vieram em seguida, com 14 e 13 casos, respectivamente.

Ainda não existe um balanço consolidado com dados de 2019. Apesar disso, segundo a Sesab, até maio, 834 novos casos de HIV foram registrados no estado. A maior parte das ocorrências é de Salvador. A cidade tinha, na época, 404.

Compartilhar