“Acho que dá para fazer tudo ao seu tempo. Nosso jogo é semana que vem. Os jogadores têm folga, naturalmente. A gente se reapresenta no sábado e pronto para a decisão. A folga dos atletas é para que eles curtam um dia com responsabilidade e depois é foco total na nossa decisão, que pode ser mais importante que uma noite de folia”. Com essas palavras o técnico Roger Machado, do Bahia, avisou que esta sexta-feira (21) é o único dia inteiro que os jogadores tricolores terão para curtir o Carnaval sem compromisso.

O elenco chegou quinta à noite de Maceió, onde na véspera ganhou do CSA por 2×0 pela Copa do Nordeste. Seja qual for o camarote, bloco ou pipoca escolhido por cada um, no sábado os atletas voltam a treinar em preparação para um jogo decisivo pela Copa Sul-Americana.

O time vai trabalhar durante o fim de semana e, na segunda-feira, viaja para o Paraguai, onde enfrentará o Nacional no dia 26, Quarta-feira de Cinzas, na cidade de Villa Elisa, na região metropolitana de Assunção.

Após vencer por 3×0 na Fonte Nova, o Bahia levará na mala a confiança de quem pode perder por até três gols de diferença desde que não seja a devolução do 3×0. Como na Sul-Americana o gol marcado como visitante é critério de desempate, o tricolor se classifica em caso de derrota por 4×1, por exemplo.

O resultado em Maceió também aumentou a tranquilidade, segundo Roger. “Foi um triunfo importante, que nos coloca com oito pontos, mesma pontuação daqueles que estão na frente, e nos dá uma tranquilidade para semana que vem a gente disputar a vaga na Sul-Americana fora de casa”, disse o treinador.

Na avaliação dele, é necessário aprimorar o esquema tático. Durante o Ba-Vi, que terminou com o Vitória vencendo por 2×0, o meia Daniel perdeu a posição para o atacante Rossi e não recuperou mais. Nos três jogos disputados pela equipe principal desde então, o time foi escalado com dois volantes e quatro atacantes em campo, sem nenhum meia de ofício.

“Continuar ajustando esse novo modelo de jogo, com Élber numa posição diferente, flutuando, criando muitos espaços. Do jogo passado para esse a gente já ajustou algumas questões defensivas e hoje de posicionamento mais dentro do campo do adversário”, comentou Roger. “Diferente de você ter um tripé de meio com um pouco mais de força e controle da bola, você tem no ímpeto dos jogadores de ataque um preenchimento maior do setor ofensivo. Isso tem acontecido nesses jogos visivelmente. Agora o que a gente tem que equilibrar é sempre a questão defensiva”.

Depois da mudança, o Bahia ganhou do Nacional por 3×0, empatou com o Ceará em 2×2 e derrotou o CSA por 2×0. São sete gols marcados e dois sofridos em três partidas.

Compartilhar