Por Thimoteo Oliveira | twitter: @thimoteocampos

Depois de ficar muito tempo à deriva, o deputado estadual, Capitão Alden (PSL), tenta nadar até o continente dos prefeituráveis da direita em Salvador.

Recentemente, o parlamentar relatou sua insatisfação ao jornalista Evilásio Júnior, indicando que outros nomes (inclusive o dele) poderiam ter chances de sucesso na corrida municipal.

Segundo visão do capitão, o nome de Cezar Leite não carrega legitimidade suficiente para representar a direita soteropolitana na corrida, “Cezar Leite nunca ouviu nenhuma das pessoas que ajudaram Bolsonaro se elas realmente queriam ele como representante. Só em Salvador são uns 40 grupos de direita que atuaram na campanha e nenhum deles foi ouvido nem pode opinar. O próprio presidente Bolsonaro, não os filhos, já disse que nunca ouviu falar de Cezar Leite”, afirmou o deputado ao site de Evilásio.

Não sabemos se o querido deputado dormiu demais no barco, ou como Jonas, foi jogado no mar por outros marinheiros. Seu desconhecimento sobre a política atual e o povo “real” é o mesmo sintoma que descrevi em outro texto (LEIA AQUI). Enquanto mentes da velha política ainda raciocinam em formatos ultrapassados, pessoas normais já esquentavam o nome de Cezar para representar Bolsonaro nas eleições de Salvador. Eleito em 2018, o capitão Alden faz parte de uma bancada de oposição extremamente lenta, onde deputados governistas voam sem dificuldades aprovando tudo do governador Rui Costa (PT).

As críticas de Alden contradizem os moldes que elegeram Bolsonaro em 2018: Uma expressão natural do povo brasileiro que dispensou qualquer tradicional organização partidária. Do mesmo modo, depois da crise envolvendo o “barco PSL” e a saída do presidente e muitos apoiadores, qualquer ligação com o antigo partido é vista com total desprezo no meio dos eleitores conservadores da Bahia. Fato que também complica o futuro de Dayane Pimentel e o marido, que trabalha sua pré-candidatura a vereador na capital baiana.

Ao deputado Alden fica a pergunta: Voltará ao barco ou vai acordar no continente?

Compartilhar